Laudemar Gonçalves de Aguiar Neto também destaca visitas entre os países para parcerias em vários setores.

PUBLICIDADE

O Brasil oferece suporte técnico em várias áreas, principalmente, no campo da defesa. É dessa forma que embaixador brasileiro no Suriname, Laudemar Gonçalves de Aguiar Neto, enxerga a parceria entre os dois países, que já resultou em 14 acordos de cooperação bilateral. Confira a terceira e última entrevista:

Cooperação

“A cooperação começou desde a independência do Suriname. Em seguida, foi assinado um acordo abrangente pelo qual foi acordado que os dois países trabalharão juntos em várias áreas. No campo da defesa, há mais de 36 anos de cooperação em que homens do exército brasileiro viajam regularmente para o Suriname para fornecer apoio técnico na forma de, entre outras coisas, treinamento”

Recíproca

“Pessoas do exército do Suriname também viajaram para o Brasil para treinamento e estudo. No Brasil, um departamento especial do Ministério das Relações Exteriores e Agência Brasileira de Cooperação é responsável por coordenar todas as parcerias internacionais com os diferentes países do mundo. O Brasil possui inúmeros parceiros de cooperação em várias áreas”

Outras parcerias com o Suriname

“Ao longo dos anos, o Brasil firmou várias parcerias técnicas com o Suriname, incluindo o setor agrícola, o setor da saúde, a educação e outros. No ano passado, foram realizadas várias reuniões de alto nível entre os dois países. O presidente Desiré Delano Bouterse visitou o Brasil. A ministra de Relações Exteriores do Suriname, Yldiz Pollack-Beighle, também visitou o Brasil no ano passado. Três ministros brasileiros também visitaram o Suriname. A reunião de alto nível resultou na assinatura de vários acordos de cooperação bilateral. Foram apresentados projetos técnicos bilaterais que serão trabalhados em conjunto. No ano passado o Brasil assinou mais de 14 acordos de cooperação bilateral com o Suriname. Mais de 15 projetos de colaboração técnica foram desenvolvidos para implementação. Três desses projetos relacionados ao setor de saúde expiraram”.

Foto: Arquivo LPM

Deixe seu comentário abaixo.