Autoridades ouvidas pelo LPM News desde a semana passada desconhecem qualquer tipo de rota ilegal de brasileiros para o Suriname. Pelo menos dois grupos de pessoas do país vizinho já foram presos tentando entrar em Paramaribo pelo rio, segundo informou Jerry Slijngaard, representante do governo que atua no gerenciamento da Covid-19.

Em nota, a Secretária de Segurança Pública do Pará (SEGUP), de onde possivelmente parte dos brasileiros teria saído de barco, informou que desconhece “a relação entre as prisões citadas e a fuga de cidadãos paraenses para o Suriname”. Ainda de acordo com o órgão, a migração de brasileiros sem autorização para outros países é responsabilidade federal.

Publicidade

Ainda sobre o assunto, a SEGUP disse que suspendeu os voos internacionais de Belém para Paramaribo, porém, desde o começo da pandemia, em março, dois voos já aterrissaram na capital do Pará trazendo e levando residentes. A Prefeitura de Belém, também em nota, disse que não tem informações oficiais sobre o assunto.

A Marinha do Brasil manteve o mesmo discurso do governo do estado e da prefeitura da capital. Já o Consulado do Suriname em Belém confirmou a prisão de brasileiros em Paramaribo, mas afirmou que não pode dar maiores detalhes sobre o assunto. O LPM News tenta contato com a Polícia Federal e com o Ministério das Relações Exteriores, em Brasília.

Rota ilegal e situação do Suriname

Pelo menos dois grupos de brasileiros estão presos no Suriname por tentativa de ingresso ilegal no país. No último final de semana, dez pessoas foram detidas na base da Marinha, em Nieuw Amsterdam. Um deles foi confirmado para a Covid-19 e colocado em isolamento. Os demais seguiram para a quarentena em locais estabelecidos pelo governo.

Desde o final de março, o Suriname não registrava novos casos do vírus. Até então, o país tinha dez registros de infecções, sendo a totalidade recuperada, com exceção de um paciente que foi a óbito. Atualmente, no site da Covid-19, constam 576 pessoas sendo monitoradas pelas autoridades de saúde e segurança, na capital.

Foto: LPM News

Deixe seu comentário abaixo.

Comentar

Comentar