Seleção do Suriname visita presidente Chan Santokhi

A Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol) tenta viabilizar projeto para aumentar o número de filiados (hoje são dez). A ideia é que alguns territórios membros da Fifa que hoje fazem parte da Concacaf (Confederação das Américas do Norte, Central e Caribe) sejam incorporados pelos sul-americanos. Os dois principais alvos são Suriname e Guiana, que geograficamente fazem parte da América do Sul — têm divisa com o Brasil — , mas há também interesse em algumas ilhas que estão próximas ao continente, como Aruba e Curaçao. Há divisão entre membros da Conmebol sobre o assunto.

Os favoráveis avaliam que seria importante aumentar o número de membros e, consequentemente, de votos no Congresso da Fifa agora que temas importantes, como escolha de sede de Copa do Mundo, por exemplo, são decididos pelos 211 filiados. Hoje, a Conmebol é a confederação da Fifa que menos eleitores tem, apenas dez. A Concacaf, por exemplo, tem 35 filiados, a Uefa (União Europeia de Futebol) 55, a CAF (África) 54, a AFC (Ásia) 46 e a OFC (Oceania) 11. Votos são importantes para conseguir apoio a projetos, e normalmente as confederações votam em bloco.

Publicidade

Há também uma questão financeira no projeto de aumentar os filiados. As federações que chegariam à Conmebol são pequenas, pouco estruturadas, e a Fifa tem projetos de desenvolvimento do futebol em que despeja milhões de dólares para aperfeiçoamento de profissionais, construções de campos, entre outros pontos. Como a Concacaf tem, em sua maioria, membros pobres, a divisão do dinheiro é maior, sobrando menos a cada um dos filiados.

Se Suriname e Guiana, por exemplo, se tornarem filiados à Conmebol, a confederação da América do Sul poderia gerenciar verbas maiores para o desenvolvimento do futebol no continente, o que deverá impactar também em outros filiados como Bolívia e Venezuela, que também não têm grandes estruturas. Aqueles que são contra argumentam que tecnicamente seria um desastre ter seleções tão fracas disputando as competições no continente, como Copa América, torneios de base e, principalmente, as Eliminatórias — que, para a Copa de 2026, provavelmente teria que mudar seu formato de disputa, atualmente feito no sistema de pontos corridos, todos contra todos.

Suriname x Ilhas Cayman, no mês passado

No classificatório da Concacaf para a Copa do Mundo da Rússia, dos países citados como alvo, Suriname e Guiana chegaram à segunda fase e foram eliminados, respectivamente, por Nicarágua e São Vicente e Granadinas. Curaçao e Aruba avançaram à terceira etapa (que ainda não tinha México, EUA, Honduras, Panamá e Costa Rica, as forças do continente participando), mas perderam para El Salvador e São Vicente e Granadinas, respectivamente. No ranking Fifa, Curaçao aparece na melhor posição, em 71º, enquanto Suriname (154º), Guiana (162º) e Aruba (182º) estão bem abaixo.

CBF vê com bons olhos

Na Confederação Brasileira de Futebol havia um entusiasta sobre esse assunto: o ex-presidente Antônio Carlos Nunes, o Coronel Nunes. Nunes é ex-presidente da Federação do Pará, Estado brasileiro próximo ao Suriname e à Guiana e que vê anualmente vários atletas brasileiros indo jogar nesses países.

A ideia é que se integrados à Conmebol, seria mais fácil para a CBF ajudar os países com fornecimento de material e profissionais para o desenvolvimento do futebol. Como é praticamente amador, muitos brasileiros que se aventuram por lá acabam jogando e vivendo em condições precárias, muitos sem receber.

Para ganhar filiados, o primeiro passo da Conmebol é apresentar um projeto à Fifa com motivos técnicos e financeiros que expliquem a motivação. O segundo é convencer o membro da Concacaf a fazer parte da Conmebol — sem o consentimento do país, claro, não há negócio. A Concacaf pode até apresentar argumentos pela manutenção dos membros, mas se o filiado quiser, e a Fifa entender que há argumentos favoráveis a isso, não tem o que a Confederação das Américas do Norte, Central e Caribe fazer para mantê-los.

Não é incomum federações mudarem de confederações, e a geografia da Fifa é muito peculiar com relação a isso — você não precisa fazer parte territorialmente da América do Sul para estar na Conmebol. Caso clássico é o da Austrália, que para a Fifa desde 2005 faz parte da Ásia, e não da Oceania. Nesse caso, o pedido partiu dos australianos, que viam o futebol em seu continente muito fraco e maiores chances de chegar às Copas do Mundo atuando pela Ásia — o que se comprovou, já que esteve nos últimos quatro mundiais.

Comentar

Comentar