Foto: Polícia Civil

Um professor de educação física foi indiciado pela Polícia Civil do Amapá após pedir “nudes” de uma aluna de apenas 12 anos através de um aplicativo de mensagens, no município de Vitória do Jari, no Sul do estado. O acusado também dava aulas de badminton em um projeto social.

O pai da criança fez a denúncia ao Conselho Tutelar e à delegacia da cidade. Segundo o delegado Erivelton Clemente, o acusado confessou que enviou fotos do órgão sexual, mas acrescentou que estava alcoolizado.

“Em junho desse ano, a vítima começou a receber mensagens do indiciado. Quando ela resolveu responder, ele disse que estava bebendo e enviou foto de uma lata de cerveja. Em seguida, enviou três fotos do seu órgão sexual. A vítima pediu que ele parasse de enviar aquele tipo de foto. O professor continuou a conversa e pediu que a vítima enviasse fotos íntimas a ele”, explicou o delegado.

O delegado acrescentou que em seguida a aluna bloqueou o professor no aplicativo, mas que ele teria entrado em contato depois por outro número para pedir desculpas. Ele também teria pedido que ela não contasse a ninguém o ocorrido.

Segundo a polícia, o acusado cometeu dois crimes, sendo o de injúria quando ele enviou fotos que ofenderam a dignidade e o decoro da vítima, e o outro quando tentou adquirir fotografia com conteúdo pornográfico envolvendo criança ou adolescente. O processo segue agora para a Justiça. Ele foi demitido da escola municipal onde dava as aulas de educação física e também foi desligado do projeto social.

Assédio na escola

No dia 13 deste mês um professor de língua francesa foi preso em flagrante por ter praticado assédio sexual contra uma aluna de 17 anos, dentro de uma escola no município de Oiapoque, no Norte do Amapá.

De acordo com as investigações, o assédio ocorreu dentro da sala dos professores, no dia do aniversário da adolescente. O acusado negou o crime e foi liberado depois de pagar fiança de R$ 2,5 mil.

Comentar

Comentar