A Ucrânia luta contra forças russas ao longo de praticamente toda a sua fronteira com a Rússia. O ataque de Putin começou pelo leste da Ucrânia, mas outras regiões do país também foram atingidas pouco tempo depois, incluindo Kiev.

O presidente russo reconheceu há três dias duas regiões separatistas como independentes: Donetsk e Luhansk. O ato provocou reações e sanções de líderes mundiais. A Ucrânia luta para manter as áreas.

Publicidade

Enquanto a Ucrânia luta para manter as áreas, o presidente dos EUA, Joe Biden, disse que “os próximos dias, semanas e meses serão difíceis” para o povo ucraniano, mas que a população já mostrou que “não irá tolerar ninguém que tente levar seu país para trás”.

Houve conflito nas regiões de Sumy, Kharkiv, Kherson, Odessa e em um aeroporto militar perto de Kiev, informou um conselheiro do gabinete presidencial. A autoridade ucraniana disse temer que as forças russas pudessem ser lançadas por via aérea no país e depois tentar penetrar na capital.

Uma das regiões tomadas pela Rússia foi a Usina de Chernobyl, localizada nas proximidades da fronteira. O local foi palco do acidente nuclear de 26 de abril de 1986.

“É impossível dizer que a usina nuclear de Chernobyl está segura após um ataque totalmente inútil dos russos”, disse o assessor do gabinete presidencial ucraniano, Mykhailo Podolyak. “Esta é uma das ameaças mais sérias na Europa hoje”, declarou.

O órgão de vigilância nuclear da ONU afirmou que as usinas nucleares operacionais da Ucrânia estão funcionando com segurança. Não houve “destruição” nos resíduos restantes e outras instalações em Chernobyl, complementaram em nota.

“A Ucrânia informou a AIEA que ‘forças armadas não identificadas’ assumiram o controle de todas as instalações da Empresa Especializada Estatal de Chernobyl, localizada dentro da Zona de Exclusão”, disse a Agência Internacional de Energia Atômica em comunicado. “A contraparte acrescentou que não houve vítimas nem destruição no local industrial”.

Comentar

Comentar