De acordo com o Procurador Geral, Roy Baidjnath Panday, o conceito de tratado de extradição Suriname-China é uma estrutura de legislação que foi estabelecida e que se encaixa nesta era, tendo em vista os tratados internacionais para combater o crime. Uma delegação do Suriname liderada pelo Procurador Geral e uma delegação da China trabalharam em um esboço de tratado de extradição para ambos os países.

Procurador Geral – Roy Baidjnath Panday (Foto: Luiz Paulo)

O tratado diz respeito à extradição de pessoas que são procuradas tanto no Suriname quanto na China. O projeto de tratado relativo à extradição de pessoas que são procuradas em ambos os países também inclui um trecho que permite a extradição de pessoas condenadas entre si. O Procurador Geral, Roy Baidjnath Panday, indica que o documento está sendo oferecido às autoridades mútuas para verificarem se ele contém as informações que o Suriname e a China desejam.

Depois disso, os países devem tomar medidas para assiná-lo e ratificá-lo. Ambas as delegações expressaram o desejo de se unirem após este tratado de extradição para trabalhar em um tratado de assistência jurídica mútua em casos criminais, combinado com a extradição, indicou Baidjnath Panday e acrescentou

“Ambos os países podem continuar detectando, processando e julgando suspeitos de crimes, principalmente graves no território de cada um”.

Stuart Getrouw – Ministro da Justiça e Polícia do Suriname (JUSPOL)

As delegações passaram os dias 3 e 4 de junho, em nosso país, na redação do projeto de tratado. O Ministro Stuart Getrouw, da Justiça e Policia, assim como o líder da Delegação da China, Wu Haiwen, chefe do departamento encarregado da extradição, são da opinião de que a relação de trabalho entre o Suriname e a China na área judicial deve ser fortalecida. Uma das áreas de atenção dentro dessa cooperação é o movimento de pessoas e bens entre os dois países. Durante uma reunião entre Stuart Getrouw e Wu Haiwen, foi analisado como a cooperação, que já existe, poderia ser elevada a um nível mais alto.

Foto: Juspol

Comentar

Comentar