Chan Santokhi — Foto: Luiz Paulo

Embora o Caricom ainda não tenha chegado a um acordo sobre a participação dos líderes do bloco na próxima Cúpula das Américas, o governo do Suriname notificou que não apoia a proposta de boicote.

Segundo o ministro de Relações Exteriores, Negócios Internacionais e Cooperação Internacional, Albert Ramdin, enquanto o presidente Chan Santokhi concorda com a Caricom que os líderes de Cuba, Nicarágua e Venezuela devem ser convidados para o evento, ele acredita que o bloco regional deve evitar tomar uma decisão emocional sobre o assunto.

Publicidade

“O presidente é a favor de uma abordagem realista e pragmática”, disse Ramdin. De acordo com Santokhi, as vantagens de participar da cúpula de 6 a 10 de junho em Los Angeles no mais alto nível político devem ser ponderadas com as desvantagens de não participar.

Segundo o ministro Ramdin, se os EUA não cederem às exigências de que Cuba, Nicarágua e Venezuela sejam permitidas na cúpula, os líderes da Caricom têm outras opções além de boicotar o evento para mostrar sua desaprovação, incluindo comparecer sob protesto e enviar representantes a um nível político inferior.

Os Estados Unidos argumentam que os governos de Cuba, Venezuela e Nicarágua demonstraram que não respeitam a democracia e, portanto, não receberão convites para a cúpula. Mas os líderes da Caricom estão convencidos de que, como parte das Américas, esses países não devem ser excluídos. 

Os países da América do Sul e da América Central também estão de acordo. Na terça-feira, o México anunciou que, se os três não receberem o convite do presidente dos EUA, Joe Biden, o presidente Andrés Manuel López Obrado não participará da conferência. Em um documento de discussão vazado, os conselheiros da Caricom teriam recomendado que os líderes participassem da cúpula, que tem em sua agenda a segurança, a crise climática, o desenvolvimento econômico e as consequências da invasão militar russa da Ucrânia. Suriname concorda.

O ministro Ramdin disse que se a região quer influenciar as decisões tomadas durante as cúpulas, os líderes devem estar lá para apresentar suas posições e pontos de vista. “A questão Cuba-EUA não é nova e também precisamos considerar as relações bilaterais com outros países. O interesse próprio não deve ser esquecido”, sugeriu. “Continuamos solidários, mas você não pode se dar ao luxo de não ir.”

Comentar

Comentar