spot_img
spot_img

Suriname e Holanda discutem retorno de imigrantes ilegais

São pessoas que, por motivos diversos, não têm direito à obtenção do estatuto de residência.

Atualizado há

Recentemente, foi realizada uma apresentação no Ministério das Relações Exteriores, Negócios Internacionais e Cooperação Internacional (BIBIS) sobre a repatriação de cidadãos surinameses e holandeses em situação irregular nos países uns dos outros. São pessoas que, por motivos diversos, não têm direito à obtenção do estatuto de residência.

A delegação holandesa do Serviço de Repatriação e Partida (DT&V) chefiada por Ewald Riks, vice-diretor geral, também diretor de Assuntos Internacionais DT&V do Ministério da Justiça e Segurança da Holanda, explicou o procedimento e o andamento da readmissão de nacionais mútuos. A delegação já estava em visita de trabalho ao Suriname em agosto de 2022 para uma missão operacional exploratória.

Durante esta reunião, o Embaixador Luziano Truideman, Diretor de Administração Geral e Assuntos Consulares da BIBIS, fez um relato dos momentos de consulta e dos resultados que surgiram nas reuniões anteriores. Os ministérios responsáveis ​​também foram identificados em conexão com a repatriação de surinameses ilegais. Estes ministérios incluem, entre outros, Assuntos Internos, Justiça e Polícia, Assuntos Sociais e Habitação e Trabalho, Emprego e Juventude.

- Publicidade -

Riks indicou que está disposto a estudar as possibilidades de fortalecer a cooperação com o Suriname e prometeu cooperar no intercâmbio de programas no que diz respeito ao serviço de retorno e partida para capacitação. Riks também sugeriu que o Suriname deveria trabalhar em uma casa de trânsito para qualquer retorno benevolente do Suriname e que acordos sobre isso deveriam ser elaborados.

O conselheiro sênior da DT&V, Jan Willem König, indicou em sua apresentação que a tarefa da DT&V é permitir que estrangeiros sem direito de residência retornem ao seu país de origem de forma legal e respeitosa. Colabora com numerosas organizações governamentais e da sociedade civil, desde o nível local ao internacional.

A política de retorno da DT&V é tal que a responsabilidade pela saída é sempre do próprio estrangeiro. “Não estamos preocupados com números, mas com pessoas e emoções”, enfatizou König. Reconheceu a importância de trabalhar na capacitação para o sucesso da reintegração, incluindo formação em diversas áreas.

Comentar

Comentar

spot_img
spot_img
spot_img
spot_img
spot_img

Mais do LPM

spot_img
Custom App
Phone
Messenger
Email
WhatsApp
Messenger
WhatsApp
Phone
Email
Custom App