O Suriname está adotando um novo Sistema de Informação de Passageiros em seu Gerenciamento de Fronteiras, juntamente com outros países da região. O Sistema de Informação de Passageiros oferecerá a possibilidade de saber com antecedência quem está viajando para o Suriname e o processo se aplicará tanto aos passageiros que chegam de aviões como de navios. Nesse contexto, a responsável pela Diretoria de Segurança Nacional (DNV), Danielle Veira, na presença da embaixadora Karen Williams, dos Estados Unidos da América (EUA), assinou o acordo.

O acordo envolve a transferência de equipamentos de informática e treinamento de pessoal para a implantação do Sistema de Informação de Passageiros no País. Com esta assinatura, o Suriname alcançou um marco especial com os EUA e a região do CARICOM, por mostrar que, está de acordo com a lei 113, do Decreto Estadual de 2016.

O Sistema de Informação de Passageiros não só ajuda o Suriname, mas também outros países da região, a verificar imediatamente quem chega em seu país, podendo detectar com antecedência possíveis suspeitos de infrações e tomar as medidas necessárias, diz Veira. Este sistema também pode ser usado para substanciar assuntos que foram decididos na última reunião UE-CELAC. Vieira também diz que este projeto já está em operação desde 27 de junho de 2019 com a assinatura.

Os equipamentos foram doados pelos EUA e já estão no Suriname. A DNV está atualmente no processo de dar o último treinamento, no qual as pessoas certas serão selecionadas para operar os equipamentos. O novo Sistema de Informação será anexado ao Border (Sistema de Gestão do Suriname)

A embaixadora dos EUA está muito satisfeita com a assinatura e diz que isso fortalecerá ainda mais o relacionamento. O Suriname é o décimo primeiro país da região da CARICOM a adotar esse sistema. “Este sistema ajuda o Suriname a investigar os nomes dos passageiros que entram no país vindos do mar e através do espaço aéreo contra a lista da CARICOM, Canadá, EUA e Reino Unido e para identificar o histórico de pessoas procuradas”, diz a embaixadora. Isso oferece um nível mais alto de segurança para o Suriname e uma melhor troca de informações entre todos os países para protegerem suas fronteiras.

Danielle Veira conclui dizendo que a relação de trabalho com os outros dez países da CARICOM e outros países que adotaram esse sistema é muito boa e se fortalecerá nos próximos anos.

Foto: NII

Comentar

Comentar