Times se enfrentam nesta quarta-feira (25), a partir das 17 horas, no Maracanã.

A cara de Libertadores da América que a Copa do Mundo ganhou vem mexendo com os times do continente. Último dos cinco países representados a entrar em campo para decidir a vaga, o Equador encara a França nesta quarta-feira (25), a partir das 17 horas, pela última rodada do Grupo E, para também garantir seu lugar nas oitavas de final. Argentina, Brasil, Chile, Colômbia e Uruguai já conseguiram suas classificações.

O técnico Reinaldo Rueda disse abertamente que a pressão pelo sucesso dos vizinhos sul-americanos existe. O comandante foi além e ainda destacou os bons desempenhos de México e Estados Unidos.

Publicidade

— Essa é uma grande demanda desse torneio. É uma rivalidade que já foi estabelecida, não somente da América do Sul, mas da América Latina também. Podemos ver isso também com outras seleções das Américas, que também estão bem encaminhadas. Queremos também deixar a nossa marca e naturalmente, toda a família do futebol do Equador, é uma grande satisfação.

Com um time renovado, o Equador espera fazer bonito em sua volta ao Mundial – havia participado apenas das edições de 2002 e 2006 – e na próxima pode pegar já a Argentina. O Equador depende apenas de suas próprias forças para avançar à próxima fase. Se empatar ou perder, ainda depende do resultado de Honduras e Suíça.

Uma das sensações da Copa até aqui, a França precisa se recuperar em Mundiais. Depois do título de 1998, a equipe vem sistematicamente alternando boas e más campanhas. Em 2010, por exemplo, os Bleus caíram ainda na primeira fase.

Perguntado sobre o sucesso dos sul-americanos, o francês Diddier Deschamps, técnico da equipe, apontou a proximidade dos países para justificar a classificação.

— Estamos diante de um adversário de qualidade e viemos aqui para buscar nossa classificação. Tenho muito respeito pela seleção do Equador e não acho que vai ser uma partida fácil. Nosso objetivo número um é classificar, e depois pensar em qual posição.

As equipes foram impedidas de treinar no palco do jogo para preservar o gramado. Em um intervalo de 11 dias, o gramado recebeu nove atividades diferentes entre treinos das seleções e jogos. Além de Equador e França, o estádio ainda receberá uma partida das oitavas (28/6), uma das quartas (4/7) e a grande final (13/7).

Deixe seu comentário abaixo.

Fonte: R7

Comentar

Comentar