spot_img
spot_img

Professores do Suriname entram no oitavo dia de greve sem acordo com o governo

Atualizado há

Nesta quinta-feira, 19 de janeiro, os professores chegaram ao oitavo dia de greve.

Todos os dias os membros da Aliança de Professores no Suriname (ALS) e da Associação de Professores (BVL) encontram-se no teatro Unique, em Paramaribo, e depois seguem para a Assembléia Nacional para chamar a atenção das autoridades para os problemas na educação.

Em maio de 2016, a ALS foi reconhecida como representante do grande grupo de professores descontentes. “Somos uma sociedade dinâmica e temos o dever de saber lidar com isso. Se os professores acham que uma outra organização deve ser configurada para defender os seus interesses, é preciso respeitar isso”, disse um dos representantes da Aliança de Professores do Suriname.

- Publicidade -

Recentemente o vice-presidente do Parlamento, Melvin Bouva (NDP), disse que as ações dos professores são infundadas e em resposta os professores disseram que Bouva como advogado deve saber melhor do que ninguém que quando as partes celebram um acordo, esse acordo deve ser cumprido. “Fazemos apelo por um salário mínimo de 4.000 Srd. E isso não é nada comparado com os salários dos deputados que são altíssimos. De Srd 4.000 há ainda uma abundância de deduções “. Então, eu não sei por que o governo está colocando tantos obstáculos a essa reivindicação que é mais do que justa”, diz um dos professores em greve.

A greve chegou ao oitavo dia e até agora o governo ainda não sinalizou se pretende atender a reivindicação salarial dos professores, enquanto isso, alunos de algumas escolas em Paramaribo e nos distritos estão sendo privados de seu direito a educação.

Deixe seu comentário abaixo.

Comentar

Comentar

spot_img
spot_img
spot_img
spot_img
spot_img

Mais do LPM

spot_img
Custom App
Phone
Messenger
Email
WhatsApp
Messenger
WhatsApp
Phone
Email
Custom App