De acordo com o porta-voz da diretoria das penitenciárias do Suriname, o sistema pode sofrer com superlotação se medidas urgentes não forem tomadas para solucionar o problema.

O alerta foi dado neste sábado, 26 de agosto, pelo chefe do departamento penitenciário do Suriname, Wendel Pinas.

Publicidade

As autoridades penitenciárias se queixam do número insuficiente de agentes disponíveis para supervisionar mais detentos e segundo Pinas, o sistema já está operando no limite com o pessoal trabalhando sob pressão no limite de horas extras. “Não é que nossas prisões estejam superlotadas, mas nós temos um certo limite, que não pode ser excedido”, enfatizou o porta-voz dos diretores de penitenciárias do Suriname.

Conforme informou Pinas, a situação tem sido discutida com o pessoal de Nickerie e por lá a situação também não é diferente com os diretores manifestando uma certam preocupação com a questão.

Os agentes penitenciários se queixam que estão trabalhando no limite da capacidade para supervisionar um número cada vez maior de presos e já existe uma certa dificuldade para encontrar vagas nas celas pelo fato de que alguns presos não podem ocupar a mesma cela com outros.  Além disso, Pinas observou que os agentes penitenciários muitas vezes são deslocados para ajudar a garantir a segurança em outros setores e isso dificulta ainda mais a situação nas casas de detenção. Pinas citou como exemplo a penitenciária central de Santo Boma, onde ainda há vagas para detentos, mas já enfrenta escassez de pessoal para a manutenção da maior penitenciária do Suriname.

Deixe seu comentário abaixo.

Comentar

Comentar