A decisão sobre a saída ou permanência do ministro Robert Peneux, da Educação, Ciência e Cultura está nas mãos do presidente Desi Bouterse.

Em uma conferência de imprensa realizada na sexta-feira (5), o vice-presidente Michael Ashwin Adhin disse que o presidente ainda está considerando o pedido de demissão de Peneux e que a decisão sobre a saída ou permanência do ministro será tomada dentro de alguns dias.

Publicidade

A responsabilidade pelo ministério foi passada temporariamente para o ministro Patrick Pengel, da Saúde a partir deste sábado e ao contrário dos rumores, o vice-presidente Ashwin Adhin disse que as ações de protesto da Associação de Professores do Suriname e da Aliança dos Professores, não foram o motivo do pedido de demissão do ministro Peneux. “Nenhum sindicalista enviará o ministro para casa. A impressão criada é como se os sindicalistas tivessem provocado a saída do ministro, mas isso não é verdade”, fez questão de explicar o vice-presidente.

Segundo Ashwin Adhin, a razão imediata é que os diretores das escolas não querem mais cooperar com o ministro. “A política faz a escolha de um ministro e se discordamos, conversamos, mas você não pode simplesmente decidir que não quer mais essa pessoa, acho que não devemos seguir assim”, adverte o vice-presidente.

Deixe seu comentário abaixo.

Comentar

Comentar