Publicidade

Esta é uma das partes do discurso de Guedes, que se tornou público nesta terça, 12. Além do Brasil, ele também falará em nome de Cabo Verde, República Dominicana, Equador, Guiana, Haiti, Nicarágua, Panamá, Suriname, República Democrática de Timor-Leste e Trinidad e Tobago.

Segundo o discurso preparado pelo ministro, o progresso contínuo na vacinação é o fator mais importante por trás de uma forte e duradoura recuperação econômica. “O apoio à política continua crítico, mas o foco deve mudar gradualmente em direção à sustentabilidade fiscal”, considerará, acrescentando que a economia global continua a se recuperar, apesar das preocupações com o ressurgimento da pandemia.

Publicidade

Do lado positivo, de acordo com Guedes, os países exportadores de commodities inicialmente se beneficiaram da melhoria dos termos de troca, situação que, segundo ele, se inverteu parcialmente. “A lacuna de vacinação entre economias avançadas e emergentes está se fechando potencialmente e reduzindo cicatrizes nos emergentes”, apontará.

O ministro comentará que, enquanto se veem revisões de alta no crescimento potencial para alguns países avançados, o grupo que representa chama a atenção para o impacto dinâmico das reformas estruturais em muitos emergentes, onde o foco está mudando da assistência de emergência para apoio direcionado e escopo fiscal de médio prazo.

“Dito isso, os países de baixa renda (PBR) ainda enfrentam uma implementação considerável de desafios de vacinação, incluindo acesso limitado a vacinas, e devem receber total apoio da comunidade internacional para melhorar suas perspectivas econômicas e de saúde, em última instância impactando a resiliência global à pandemia”.

Comentar

Comentar