A seleção brasileira entra em campo pressionada nesta sexta-feira, no Castelão, onde encara a Colômbia em mais uma partida da Copa do Mundo. Além de todo o peso de evitar uma eliminação em casa, o time de Luiz Felipe Scolari precisa superar outra barreira cada vez mais conhecida: a das quartas de final.

Sem saber o que é disputar uma semifinal desde 2002, ano do pentacampeonato, a equipe de Felipão terá a missão de evitar uma repetição dos fracassos recentes nesta mesma etapa da Copa.

Em 2006, então campeã do mundo, a seleção brasileira foi derrotada por 1 a 0 e caiu diante da França nas quartas de final, em Frankfurt. Um gol de Thierry Henry no segundo tempo eliminou a equipe que contava com Ronaldinho Gaúcho, Kaká, Ronaldo, Robinho e Adriano.

Em 2010, a queda se deu diante da Holanda. E novamente nas quartas de final. Após sair na frente do placar com um gol de Robinho, a seleção brasileira sofreu a virada. Sneijder marcou os gols da vitória por 2 a 1 da equipe que se tornaria vice campeã do mundo.

Além do histórico recente, a pressão dos últimos dias, após a sofrida classificação diante do Chile nas oitavas, não desanima o técnico do Brasil.

“Continuamos com a mão na taça. Estamos no quinto passo. Serão sete”, disse o confiante Felipão, ignorando qualquer chance de nova queda nas quartas.

Eliminado em 2006 na mesma etapa, o coordenador do time atual e treinador naquela ocasião, Carlos Alberto Parreira, admitiu a tensão às vésperas de uma fase tão complicada.

“Amanhã [sexta] é a hora da verdade. O jogo vai ser difícil. Estamos ansiosos pela responsabilidade de jogar em casa e pela obrigação de ser campeão”, disse.

Do grupo atual, seis jogadores já sofreram com o trauma das quartas de final e tentam reverter o histórico diante da Colômbia: Júlio César, Daniel Alves, Ramires, Maicon e Thiago Silva (em 2010), além de Fred (2006).

A última semifinal disputada pelo Brasil foi em 2002 – vitória por 1 a 0 sobre a Turquia com gol de Ronaldo. Em caso de vitória nesta sexta, a seleção de Felipão repetirá a dose 12 anos depois e voltará a campo na próxima terça (dia 8) para encarar o vencedor da partida entre Alemanha e França.

Deixe seu comentário abaixo.

Fonte: Uol

Comentar

Comentar