Imagens de partir o coração mostrando uma mãe dando adeus a seu bebê, instantes antes de permitir desligar os aparelhos que o mantinham vivo, vem comovendo internautas pelo mundo.

O último beijo de Sarah Marriott no bebê Sebastian Blenkinsop, de uma semana de vida, aconteceu antes de sua máquina de suporte de vida ser desligada devido uma condição de pulmão extremamente rara.

Sarah, de 32 anos, e seu companheiro, Jonathon Blenkinsop, de 31, teve que tomar a decisão agonizante após Sebastian desenvolver uma condição genética chamada displasia alvéolo-capilar (DAC), diagnosticada em apenas quatro crianças na Inglaterra.

Sebastian nasceu por cesariana de emergência no Hospital Universitário de North Tees, em Stockton, no Reino Unido.

Em poucas horas, ele estava lutando para respirar e foi transferido para o Hospital Freeman, em Newcastle, e colocado no suporte de vida para seus órgãos descansarem enquanto testes eram realizados.

Sarah só foi capaz de ficar com seu bebê depois de dois dias de agonia.

Cinco dias depois que ele nasceu, Sarah e Jonathon foram informados de que a criança estava sofrendo convulsões, sangramento em seu cérebro e graves danos cerebrais.

Eles foram informados de que a melhor opção era desligar a máquina de suporte de vida de Sebastian, o que aconteceu exatamente uma semana após ele nascer.

O bebê faleceu em paz, nos braços de sua mãe, e ao lado de seu pai.

O casal lançou um apelo para arrecadar fundos para aprofundar as pesquisas sobre a condição que levou seu filho.

Deixe seu comentário abaixo.

Fonte: Gadoo

Comentar

Comentar