Não há registro de vítimas, segundo autoridades. Os ataques israelenses foram confirmados pelas autoridades de Gaza.

26mai2014---equipes-de-emergencia-tentam-controlar-chamas-apos-um-ataque-com-bombas-de-barril-sobre-a-cidade-siria-de-aleppo-nesta-segunda-feira-26-aleppo-outro

A Força Aérea israelense lançou neste sábado (14) vários ataques no sul da Faixa de Gaza, sem causar vítimas, após o disparo de um foguete contra Israel, informaram autoridades israelenses e palestinas.

Publicidade

Em um comunicado, o Exército israelense indicou que sua força aérea tinha “atingido um local de atividades terroristas e um depósito de armas no sul da Faixa de Gaza”.

Os ataques israelenses foram confirmados pelas autoridades de Gaza.

De acordo com um porta-voz palestino, helicópteros Apache israelenses atingiram um campo de treinamento do Hamas a oeste de Khan Younis e um terreno baldio em Rafah, perto da fronteira com o Egito.

Os ataques não fizeram vítimas.

Mais cedo, um grupo armado palestino disparou um foguete a partir de Gaza contra o sul de Israel, sem causar vítimas ou danos, de acordo com o Exército.

Estes eventos ocorrem em um contexto de grande tensão. O Exército e os serviços de segurança israelenses realizam buscas para encontrar três jovens israelenses desaparecidos desde quinta-feira na Cisjordânia, provavelmente sequestrados por palestinos.

Israel fechou os dois principais pontos de passagem entre Israel e a Faixa de Gaza para impedir que os jovens desaparecidos fossem transferidos para a Faixa de Gaza, controlada pelo Hamas.

De acordo com estatísticas do Exército, 128 foguetes e morteiros foram disparados desde o início do ano – incluindo quatro desde o início de junho – a partir da Faixa de Gaza contra o sul de Israel.

O último lançamento de foguetes foi na quarta-feira. Pouco depois, o Exército israelense lançou um ataque aéreo, matando um palestino e ferindo outros dois.

Os mortos e feridos eram salafistas acusados por Israel de ataques com foguetes.

Ataques de grupos armados em Gaza diminuíram significativamente nos últimos meses.

Deixe seu comentário abaixo.

Fonte: G1

Comentar

Comentar