Publicidade

O governo do Suriname atualizou nesta terça-feira, dia 23, as ações de controle e combate a Covid-19. A principal alteração é no horário do toque de recolher até o próximo dia 9 de março: das 22h até 5h, de segunda a quinta-feira; e das 20h até 5h, de sexta-feira a domingo.

As demais medidas gerais permanecem sem alteração, basicamente, as ações de higiene como lavar as mãos, e o uso da máscara. O distanciamento social segue sendo obrigatório. Veja abaixo as principais regras que entram em vigor nesta quarta-feira (24) em todo o Suriname.

Publicidade
  • Nenhum encontro de grupos com mais de dez (10) pessoas está permitido. Isso não se aplica ao trabalho, setores ou atividades para os quais existe um protocolo;
  • É proibido realizar festas;
  • Funerais e reuniões religiosas estão permitidos com, no máximo, cinquenta (50) pessoas;
  • Todos os esportes sem contato são permitidos com adesão aos protocolos;
  • Esportes de contato são permitidos apenas ao ar livre;
  • O transporte de passageiros público rodoviário ou aquático somente é permitido com a devida observância do protocolo;
  • Os seguintes setores estarão fechados ao público até dia 9 de março: restaurantes e outros estabelecimentos comerciais de preparação e entrega de alimentos, exceto take-away ou delivery; de segunda a quinta-feira, a coleta é possível até as 21h e a entrega até as 23h. Sexta, sábado e domingo, a coleta é possível até 19h e a entrega até 23h;
  • Clubes noturnos, salões de dança, discotecas, restaurantes internos e semelhantes e bordéis permanecem fechados;
  • Os seguintes setores estão abertos ao público: cassinos, locais de jogos e entretenimento, escritórios de jogos de azar, resorts de recreação, ginásios, escolas de ioga e dança, aeróbica, zumba, centros ou instalações desportivas e de fitness, cabeleireiros;
  • A fronteira aérea está, portanto, aberta apenas para o tráfego de passageiros essenciais;
  • Os voos domésticos são permitidos apenas para carga, repatriação de passageiros retidos e para emergências médicas.

Comentar

Comentar