A photo taken on September 7, 2017 shows damage in Orient Bay on the French Carribean island of Saint-Martin, after the passage of Hurricane Irma. France, the Netherlands and Britain on September 7 rushed to provide water, emergency rations and rescue teams to territories in the Caribbean hit by Hurricane Irma, with aid efforts complicated by damage to local airports and harbours. The worst-affected island so far is Saint Martin, which is divided between the Netherlands and France, where French Prime Minister Edouard Philippe confirmed four people were killed and 50 more injured. / AFP PHOTO / Lionel CHAMOISEAU

Furacão atingiu com força as ilhas do Caribe, onde deixou pelo menos 43 mortos, antes de alcançar o estado americano da Flórida.

O furacão Irma deixou um rastro de destruição pelo Caribe e também no estado americano da Flórida. De acordo com os levantamentos mais recentes, pelo menos 61 pessoas morreram em decorrência do furacão, pelo menos 43 no Caribe.

Publicidade

Imagens divulgadas pela agência Associated Press dão uma ideia da destruição provocada pela força do Irma, que chegou à região com ventos de mais de 200 quilômetros por hora, antes de chegar à Flórida.

Fotos de satélite divulgadas nesta terça-feira (12) pela NASA, também dão uma dimensão do estrago nas ilhas caribenhas.

Mais de 70% dos lares de Saint Martin foram destruídos na tempestade, que também deixou sem água corrente e nem rede de telefonia grandes zonas da ilha.

Em Marigot, na parte francesa da ilha caribenha de Saint Martin, vários negócios reabriram na terça, muitos com horário reduzido, segundo a agência France Presse. “Somos obrigados a seguir em frente, reconstruir a ilha”, diz Jean-Claude Richardson, gerente de um bar.

A economia também volta a dar sinais de vida. Stephan Jules, diretor da agência estatal de empregos, já está em ação. “Vamos ver com as empresas com recuperar os empregos. Nossa agência em Saint Martin está em bom estado. Faremos um balanço da situação nos próximos dias para responder às perguntas dos usuários”.

O presidente da França, Emmanuel Macron e o rei da Holanda, Willem-Alexander foram visitar a ilha, que tem o território dividido entre as duas nações europeias.

 Fonte: G1

Comentar

Comentar