Suspeito seria palestino; ele tentou fugir, mas foi baleado e detido.Ao menos quatro pessoas estariam internadas em estado grave.

Um homem palestino foi baleado na perna após esfaquear ao menos 9 pessoas em um ônibus de transporte regional, no centro de Tel Aviv nesta quarta-feira (21). Ele foi atingido ao tentar fugir do coletivo e detido, segundo informações da polícia para a agência Reuters.

Publicidade

De acordo com Bentzi Sau, comandante da polícia de Tel Aviv, o agressor era um morador da cidade de Tulkarm na Cisjordânia, de 23 anos. Ele embarcou no veículo, esfaqueou o motorista e em seguida atacou os passageiros. Agentes penitenciários que passavam pelo local em um carro viram o ataque e iniciaram a perseguição ao suspeito, que foi cercado em uma rua próxima.

O hospital para onde os feridos foram levados informou que sete pessoas foram internadas para tratamento e quatro delas tiveram ferimentos graves.

O ataque foi o último de uma série de incidentes nos últimos meses em um momento de grande tensão entre palestinos e israelenses, particularmente na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental.

O movimento islamita Hamas mostrou satisfação pelo ataque. “É uma operação heroica e a reação natural ao terrorismo israelense”, afirmou o porta-voz do grupo, Sami Abu Zuhri, em comunicado divulgado à imprensa.

As declarações coincidem com a opinião de outro de outros membros, como Izzat Al Resheg, para quem o ataque é a “resposta natural ao terrorismo da ocupação”.

Já o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, responsabilizou  o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas.

“O ataque terrorista em Tel Aviv é resultado direto da incitação venenosa disseminada pela Autoridade Palestina contra os judeus e seu Estado. Este mesmo terrorismo nos ataca em Paris, Bruxelas e em qualquer parte”, denunciou Netanyahu em comunicado divulgado por seu escritório.

“O Hamas – parceiro de Abu Mazen (Abbas) no governo de unidade – se apressou em elogiar o ataque”, disse Netanyahu sobre o comunicado emitido pelo grupo islamita.

Deixe seu comentário abaixo.

Fonte: G1

Comentar

Comentar