Deslocamento das comitivas será monitorado por helicópteros. Agência Brasileira de Inteligência acompanhará movimentação de 80 mil.

Um superesquema de segurança começa à meia-noite, no Rio de Janeiro, porque autoridades estrangeiras já estão na cidade pra cerimônia de abertura da Olimpíada.

Publicidade

Nesta sexta-feira (5), dia da abertura da Olimpíada, será a grande prova de fogo para segurança. Cerca de 80 mil pessoas estarão a caminho do Maracanã – entre elas, mais de 11 mil atletas e 45 chefes de Estado.

O presidente da França, François Hollande, o presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, já chegaram ao Rio.

Nesta sexta, o governo brasileiro vai oferecer um jantar no Palácio Itamaraty, no Centro do Rio, para os chefes de Estado. A área já está toda vigiada por militares do Exército. De lá, as autoridades serão levadas para o Maracanã em vários ônibus.

Haverá uma escolta ainda mais reforçada para o presidente francês, François Hollande, e para o secretário de Estado americano, John Kerry.

Nesses quase cinco quilômetros até o Maracanã, atiradores de elite ficarão em pontos estratégicos. O deslocamento das comitivas será monitorado por helicópteros.

Os bloqueios começam a partir de meia-noite. Trinta e sete ruas serão interditadas.

Toda a operação desta sexta-feira será acompanhada também da central da Agência Brasileira de Inteligência, a ABIN. Em uma sala sigilosa estão agentes de cem países que tentam identificar possíveis ameaças aos Jogos.

“Não há absolutamente nada que nos preocupe a ponto de colocarmos em alerta forças de contingência ou coisas dessa natureza, embora existam forças de contingência e planos A e B para todas as possibilidades de ocorrência em relação a Olimpíada”, afirma o diretor-geral da ABIN, Wilson Trezza.

Fonte: G1

Comentar

Comentar