spot_img
spot_img

Exxon Mobil deve encomendar o 5º navio petroleiro da Guiana

Consórcio pretende bombear 1,2 milhão de barris de petróleo e gás por dia até 2027 de todos os empreendimentos, de acordo com Hess, quase o triplo do pico de produção do ano passado.

Atualizado há

A Exxon Mobil Corp se preparando para aprovar seu quinto projeto de produção de petróleo na Guiana e está considerando adquirir área de exploração adicional, disse o chefe de suas operações na Guiana, Alistair Routledge, à Reuters em uma entrevista.

Os esforços aumentariam significativamente os US$ 30 bilhões comprometidos até agora pelos parceiros da Exxon e da Guiana, Hess Corp e CNOOC Ltd. O empreendimento mais recente custará cerca de 27% a mais que o anterior, mostrou uma nova estimativa, refletindo a inflação e o escopo maior do projeto.

O consórcio pretende bombear 1,2 milhão de barris de petróleo e gás por dia até 2027 de todos os empreendimentos, de acordo com Hess, quase o triplo do pico de produção do ano passado.

- Publicidade -

O quinto desenvolvimento proposto pela Exxon, em um campo petrolífero chamado Uaru, bombearia cerca de 250.000 barris de petróleo por dia no pico. Seria o maior e mais caro projeto do consórcio, superando o custo de US$ 10 bilhões do quarto projeto.

“Talvez mais, o mercado está esquentando”, disse Routledge, referindo-se à inflação do setor de energia que está elevando os preços de serviços e materiais. “A equipe está trabalhando duro para manter o custo baixo, mas será difícil mantê-lo abaixo disso”, disse ele.

O desenvolvimento custará cerca de US$ 12,68 bilhões, de acordo com uma estimativa preparada para a Agência de Proteção Ambiental da Guiana, 27% a mais do que o quarto empreendimento da Exxon. Seu petróleo começaria a fluir em 2027 e continuaria por 20 anos, segundo estimativa do governo da Guiana.

A Guiana estimou na semana passada que o projeto exigiria até 600 trabalhadores no pico da atividade de perfuração e empregaria até 160 pessoas depois disso. O projeto liberará cerca de 1 milhão de toneladas por ano de emissões de dióxido de carbono, prevê.

A Exxon apresentou um plano de desenvolvimento para o campo petrolífero e um contrato inicial de construção foi concedido no outono passado à japonesa Modec Inc. Se o plano for aprovado pelo governo da Guiana, o consórcio poderá sancionar os gastos com o projeto em abril, disse Routledge.

Abril é quando a Guiana deve realizar seu primeiro leilão competitivo para novas áreas de exploração. A Exxon considerará ofertas em novos blocos, disse o chefe do país.

“Claro, vamos analisar isso”, disse Routledge, acrescentando que “seria prematuro dizer sim ou não” à participação antes que o país libere os termos completos dos novos contratos de produção.

O país divulgou no ano passado um regime fiscal que eleva a participação da Guiana nas riquezas petrolíferas de 14,5% para 27,5%, por meio de um mix de royalties e produção compartilhada. Mas ainda não atualizou o acordo de partilha de produção dos blocos. As empresas estão avaliando seus próprios dados geológicos nas áreas.

Comentar

Comentar

spot_img
spot_img
spot_img
spot_img
spot_img

Mais do LPM

spot_img
Custom App
Phone
Messenger
Email
WhatsApp
Messenger
WhatsApp
Phone
Email
Custom App