spot_img
spot_img

Exército da Nigéria mata 300 muçulmanos xiitas, denuncia ONG

Atualizado há

Os mortos, enterrados em valas comuns, não tinham relação com o grupo jihadista Boko Haram.

A organização Human Rights Watch (HRW) denunciou nesta quarta-feira o massacre de aproximadamente 300 pessoas pertencentes à seita xiita Movimento Islâmico da Nigéria (IMN, sigla em inglês), estabelecida no norte do país e sem vinculação com o extremismo do grupo jihadista Boko Haram.

Soldados nigerianos mataram os fiéis xiitas em ataques registrados em três pontos da cidade de Zaria entre os dias 12 e 14 de dezembro, relataram testemunhas e autoridades locais à organização, segundo um comunicado. Durante dois dias, o exército atacou a mesquita Hussainniya Baqiyyatullah, o bairro de Gyellesu e o cemitério da seita em Daral-Rahma.

- Publicidade -

Pelo menos 300 xiitas morreram e muitos ficaram feridos, enquanto os soldados queimaram os corpos em valas comuns sem a permissão de suas famílias.

O Movimento Islâmico da Nigéria é uma seita xiita com vínculos próximos com o Irã e estabelecida em Zaria, no estado nigeriano de Kaduna. O grupo religioso, liderado por Sheik Zakzaky, começou sua atividade no país africano em 1980 e conta com três milhões de fiéis na Nigéria. “Não tem relação com o Boko Haram, um grupo islâmico radical que também opera no norte da Nigéria, e cujos integrantes atacaram xiitas e outros”, esclareceu a HRW.

A origem do massacre realizado pelo exército nigeriano se encontra na revolta de um grupo de xiitas perto de uma mesquita, coincidindo com o início do mês de Rabi-ul-Awal, o nascimento do profeta Muhammad, em protesto por ataques anteriores feitos pelos militares. Quando o comboio de um militar de alta patente passou pelo lugar, um grupo de jovens xiitas começou a protestar e atirar pedras, com o objetivo de matar o tenente-general, segundo o exército.

“É impossível que uma barricada levantada por um grupo de jovens nervosos pudesse justificar o massacre de centenas de pessoas. Foi uma reação brutal e desmedida, quando não um ataque planejado contra o grupo xiita minoritário”, disse o diretor da HRW para a África, Daniel Bekele.

No último dia 18, o governo da Nigéria classificou o incidente como um “assunto militar”. “O presidente Muhammadu Buhari deveria dar um basta à lamentável lista de graves abusos contra os direitos humanos do exército para que não continuem durante seu mandato”, criticou Bekele.

A Nigéria vive sob a ameaça constante do grupo jihadista Boko Haram, que luta para impor um estado islâmico no norte do país, o que gerou uma violenta repressão do exército federal, que cometeu várias violações contra os direitos humanos.

Deixe seu comentário abaixo.

Fonte: Veja

Comentar

Comentar

spot_img
spot_img
spot_img
spot_img
spot_img

Mais do LPM

spot_img
Custom App
Phone
Messenger
Email
WhatsApp
Messenger
WhatsApp
Phone
Email
Custom App