Como resultado da política de combate ao furto de energia, a Companhia de Energia Elétrica do Suriname (EBS) identificou 182 casos de consumo ilegal de energia elétrica. 

Segundo informação divulgada pelo Instituto Nacional de Informação (NII) nesta segunda-feira (28), os casos foram registrados no período de julho de 2017 a março de 2018.

Publicidade

A partir do mês de julho do ano passado, o EBS criou uma unidade especial encarregada de investigar e identificar casos de consumo ilegal de energia, popularmente conhecido como “gato”, que é o crime de roubo de energia. O trabalho desta unidade criada pela EBS consiste não só em uma pesquisa técnica interna a partir de uma queda acentuada no consumo de energia, mas também em uma investigação externa para identificar a adulteração de medidores de energia, cabos de saída, fornecimento de energia a terceiros e ligações clandestinas.

Quando o roubo de energia é descoberto, o infrator tem a oportunidade de pagar a quantia devida e na maioria dos casos, se o consumidor não pode pagar esse valor de uma só vez, a EBS possibilita um acordo para o parcelamento da dívida. De julho do ano passado até este mês a EBS informou que já realizou 26 acordos para o pagamento parcelado de contas.

Se o cliente não pagar ou não cumprir o acordo de pagamento, o EBS pode, após reportar o caso à polícia, cortar o fornecimento de energia ou cancelar a conta do consumidor até que todo o débito seja quitado. Desde julho de 2017, aconteceram 15 casos de interrupção no fornecimento de energia dos quais 4 casos a EBS efetuou a religação depois que os clientes pagaram toda a conta em atraso.

Em comparação com o período anterior a julho de 2017, quando o roubo de energia ainda não estava sendo devidamente investigado até a implantação da Unidade de Investigação, a EBS passou a registrar 10 vezes mais casos de furto de energia.

Nos últimos 10 meses, um total de quase 400 relatos de roubo de energia foram registrados, dos quais mais da metade vem de pesquisas internas e a outra parte vem de dicas da sociedade. É surpreendente que menos de 15% dos casos de dicas externas tenham realmente envolvido roubo de energia. A causa pode estar no fato de que a sociedade não sabe reconhecer o roubo de energia. Ao mesmo tempo, é um desafio para a EBS ensinar às pessoas como identificar o roubo de energia sem que essa informação seja utilizada para cometer consumo de energia ilegal.

A EBS informa que o consumo ilegal de energia é crime e pode causar risco de incêndio e eletrocussão.

Deixe seu comentário abaixo.

Comentar

Comentar