spot_img
spot_img

Dilma exonera presidente da Embratur, nomeado por Temer

Atualizado há

Exoneração foi publicada no ‘Diário Oficial da União’ desta segunda (4). Nos últimos dias, Dilma tem tirado do governo funcionários ligados ao PMDB.

A presidente Dilma Rousseff exonerou Vinícius Renê Lummertz Silva, presidente da Embratur, autarquia ligada ao Ministério do Turismo responsável pela promoção das atividades turísticas no país. Lummertz havia sido nomeado em maio do ano passado, pelo vice-presidente da República, Michel Temer. A exoneração foi feita a pedido do servidor, em março, e publicada nesta segunda-feira (4) no “Diário Oficial da União”.

A assessoria de Lummertz informou que ele entregou o cargo no mês passado, alegando que estava agindo “de acordo com suas convicções” e “em consonância com as orientações do partido”. A carta de demissão foi entregue ao então ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), que já deixou o governo.

- Publicidade -

Políticos e técnicos ligados ao PMDB estão deixando o governo após o partido ter deixado a base aliada. Dilma já iniciou uma substituição dos cargos que eram ocupados pelo partido nos ministérios e órgãos públicos.

Nos últimos dias, por exemplo, a presidente exonerou o diretor-geral do Departamento Nacional de Obras contra a Seca (Denocs), o diretor Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e um vice-presidente da Caixa Econômica Federal, todos indicados pelo PMDB.

Rearranjo
O PMDB passou 13 anos como aliado do Palácio do Planalto, desde o período do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O desembarque da última semana coincide com o momento em que um pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff tramita na Câmara.

Os seis ministros que o partido tem na Esplanada, no entanto, manifestaram que não vão sair do governo, ao contrário da orientação da sigla.

Na terça-feira (29), quando anunciou o rompimento do partido com o governo, o vice-presidente do PMDB, Romero Jucá, afirmou que a partir daquele dia ninguém no país estava mais autorizado a “exercer qualquer cargo federal em nome do PMDB”.

O governo reagiu e disse que aproveitaria a oportunidade para fazer um rearranjo na base aliada e fortalecer os votos contrários ao impeachment. Cargos que eram ocupados pelo PMDB serão redistribuídos para outros partidos que continuarem ao lado da presidente.

As principais ofertas de cargos por parte do governo devem ser feitas para PR, PP e PSD, que integram a base do governo, mas que oficialmente ainda não se decidiram se permanecem ou não com Dilma após a saída do PMDB.

O governo negocia, além dos ministérios, os cargos de 2º e 3º escalão, incluindo presidência de estatal, e que vão servir também para acomodar pequenos partidos. E petistas não descartam abrir mão do próprio espaço do PT se for preciso, para salvar a presidente Dilma.

Deixe seu comentário abaixo.

Fonte: G1

Comentar

Comentar

spot_img
spot_img
spot_img
spot_img
spot_img

Mais do LPM

spot_img
Custom App
Phone
Messenger
Email
WhatsApp
Messenger
WhatsApp
Phone
Email
Custom App