Uma parcela dos investidores espera que os preços do ouro superem a marca de US$ 2.000 a onça este ano, embora com um pouco de volatilidade, já que os Estados Unidos desaceleram o ritmo dos aumentos das taxas e eventualmente encerrarão o ciclo de altas, segundo analistas do setor. Os preços à vista do metal precioso dispararam acima de US$ 1.900 a onça, subindo cerca de 18% desde o início de novembro, à medida que as pressões inflacionárias diminuem e os mercados antecipam uma política monetária menos agressiva do Federal Reserve dos EUA.

As taxas de juros em rápido aumento atingiram os preços do ouro no ano passado, levando-os a US$ 1.613,60 em setembro, de uma alta de US$ 2.069,89 em março – pouco antes de um pico recorde em 2020. As taxas mais altas elevaram os retornos dos títulos de dívida, tornando o ouro menos desejável para os investidores, e levaram o dólar ao seu ponto mais forte em 20 anos, tornando o ouro cotado em dólar mais caro para muitos compradores.

O enfraquecimento da moeda americana e dos rendimentos dos títulos “se tornarão ventos macroeconômicos favoráveis ​​para o metal amarelo, empurrando o ouro acima de US$ 2.000/onça nos próximos meses”, disseram analistas do Bank of America. Com menos pressão do dólar e dos títulos, os investidores provavelmente comprarão barras de ouro como proteção contra a inflação e a turbulência econômica, disse Nitesh Shah, analista da WisdomTree, acrescentando que os preços podem facilmente subir acima de US$ 2.100 a onça até o final do ano. O ouro é tradicionalmente visto como um lugar seguro para armazenar riqueza. “O risco de os bancos centrais exagerarem e levarem suas economias à recessão é alto”, disse Shah.

Os analistas esperam que os bancos centrais continuem estocando ouro depois de comprar mais metal nos primeiros nove meses de 2022 do que em qualquer ano em meio século, de acordo com o World Gold Council. A demanda de varejo por barras e moedas de ouro também deve permanecer forte, impulsionada por uma retomada do crescimento econômico na China, o maior mercado consumidor, disseram analistas da ANZ.

Comentar

Comentar