De acordo com o nosso colunista, José Paulo Ribeiro—Conselheiro Representante de Brasileiros no Exterior, o bom senso e a responsabilidade nos obrigam tomar posição.

PUBLICIDADE

Vivemos em tempos das indiferenças, do ah, não é da minha conta, não tem nada a ver comigo; Infelizmente, convivemos com isso, mas não podemos aceitar; precisamos tomar cuidado para não cair na armadilha da frase mágica, do tipo: ‘‘Alguém tem que fazer alguma coisa’’?! Esse alguém é eu e você! A injustiça tem avançando a paços largos em nossa direção, se não enfrentarmos agora, depois será tarde demais. À violência está te cercando de perto? Certamente que está. Reaja! Faça alguma coisa!

“Primeiro, eles vieram buscar os comunistas e eu não protestei porque eu não era comunista; Então, eles vieram buscar os judeus e eu não protestei porque eu não era judeu; Então, eles vieram buscar os sindicalistas e eu não protestei porque eu não era sindicalista; Então, eles vieram buscar os católicos e eu não protestei porque eu não era católico; Então, quando eles vieram me buscar, já não havia ninguém para protestar.” (Martin Niemöller (1892 – 1984), Pastor luterano alemão preso pelos nazistas, mantido em um campo de concentração até o final da II Guerra).

Talvez você diga: ah, isso é complicado e trabalhoso me envolver com essas questões; Isso já existe a tanto tempo; Para tratar disso há o Estado, as Organizações não Governamentais (ONGs). Não é problema meu! É apenas mais um assunto antigo que se repete. Sim, é mesmo um assunto antigo; A questão é que não devemos nos conformar com injustiças; Os conformados e pessimistas sempre existiram e ainda existem; Mas, não podemos mostrar fraqueza na hora da luta, do embate; Do contrário, pode ser que algum dia em nossa existência terrena estaremos parafraseando o pastor luterano Martin Niemöller, que se penitenciava por haver perdido a chance de fazer algo positivo por seus compatriotas, durante a Segunda Guerra; Quando teve oportunidade de protestar, não o fez. Como diriam nossas avós, “agora não adianta mais chorar sobre o leite derramado”.

O bom senso e a responsabilidade nos obrigam tomar posição; É nossa responsabilidade! Lembre-se da advertência do grade líder, Martin Luther King Jr. ‘‘O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons’’. Quando eu me calo diante da injustiça, dou voz ao opressor para continuar seu caminho de perversidade. Denuncie à violência, a criminalidade, a covardia. Lembre-se: A omissão é cumplicidade. Bispo Desmond Tutu, companheiro de Nelson Mandela, na luta pelo Apartheid na África do Sul, nos adverte: Em questão de injustiça quando nos omitimos ficamos do lado do opressor. ’’ Atenção: Alguém tem que fazer alguma coisa.

José Paulo Ribeiro—Conselheiro Representante de Brasileiros no Exterior-CRBE.

Participe dando a sua opinião, deixando o seu comentário abaixo.