Sul do país está em alerta e 100 mil foram retirados de casa. Nas Filipinas, tormenta matou 3 pessoas.

Colégios do sul da China tiveram que fechar suas portas nesta terça-feira (16) e dezenas de voos e viagens trens foram cancelados ou atrasados com a aproximação do tufão “Kalmaegi”, que já castigou Hong Kong e a ilha de Hainan e se dirige à província sulina de Cantão.

Publicidade

Kalmaegi chegou na primeira hora desta manhã à região autônoma de Hong Kong, provocando o fechamento de escolas, até 36 cancelamentos de voos e mais de 500 atrasos, assim como a suspensão do pregão matutino da bolsa.

O observatório do território registrou ventos de até 166 km/h, que ocasionaram a queda de 44 árvores e inundações em três distritos devido à intensa chuva, informou o governo ilhéu.

A tormenta aterrissou posteriormente na cidade de Wenchang, no norte de Hainan, com rajadas de até 144 km/h.

A uma velocidade de 30 km/h, espera-se que o tufão alcance a península de Leizhou da província de Cantão nas próximas horas, segundo o Centro Nacional Meteorológico da China.

O sul da China ativou o alerta vermelho, e, até ontem à noite, 100 mil pessoas tinham sido retiradas de suas casas como medida de precaução, informou a agência de notícias “Xinhua”.

Além disso, foram suspensos todos os voos saindo ou chegando a Hainan, além das conexões de trem entre esta ilha e a província de Cantão.

As aulas em várias cidades de Cantão localizadas ao sul, e portanto mais vulneráveis à passagem do tufão, foram suspensas até esta quarta (17).

Os moradores do sul da China ainda lembram as consequências do tufão “Rammasun”, a pior tempestade tropical que castigou o sul do país em quatro décadas, e que deixou um saldo de 62 mortos.

A intensidade do Kalmaegi foi comparada com a de Rammasun, motivo pelo qual muitas regiões elevaram os alertas para minimizar os danos, segundo detalha o jornal “South China Morning Post”.

Kalmaegi chegará à costa sul da China após ter passado pelo norte das Filipinas, onde matou três e deslocou outras 7.800 pessoas.

Deixe seu comentário abaixo.

Fonte: EFE

Comentar

Comentar