Um casal foi encontrado morto com vários golpes de facas neste domingo (10), no interior da casa onde moravam, na região do Murinim, no distrito de Benfica, em Benevides. A Polícia Militar foi até o local após ser acionada por parentes das vítimas e encontrou um dos filhos do casal ao lado dos corpos em avançado estado de decomposição. Os detalhes do crime ainda estão cobertos de mistério, mas todas as evidências apontam o filho, que sofre com esquizofrenia, como sendo o autor dos assassinatos.

As vítimas, identificadas como Zenaide Rodrigues e Vicente Aguilar, eram naturais do interior paulista e moravam há muitos anos em um sítio da região, onde cuidavam e acompanhavam de perto o tratamento do filho, identificado como Eduardo dos Santos. As vítimas tinham ainda outros filhos, tanto no Pará como em São Paulo.

Publicidade

VERSÃO DE FAMILIARES

A Polícia chegou até o nome de Eduardo após ouvir relatos de parentes do rapaz. Eles contaram que o jovem ligou no sábado (09), pedindo para que fossem a residência pois os pais estariam “mortos”.

Quando parentes locais souberam e foram checar a situação, constataram as mortes. Eduardo estava convivendo com os cadáveres no mesmo cômodo. Questionado, o jovem – que segundo a polícia possui aproximadamente 30 anos – argumentou dizendo que o “quadro mandou” ele matar os pais.

Eduardo foi levado para a delegacia, onde irá prestar depoimento sobre o caso. Somente após isso a Polícia Civil poderá determinar a participação ou não de Eduardo no crime.

ESQUIZOFRENIA

A esquizofrenia é uma doença mental crônica que se manifesta na adolescência ou início da idade adulta. Sua freqüência na população em geral é da ordem de 1 para cada 100 pessoas, havendo cerca de 40 casos novos para cada 100.000 habitantes por ano.

No Brasil estima-se que há cerca de 1,6 milhão de esquizofrênicos; a cada ano cerca de 50 mil pessoas manifestam a doença pela primeira vez. Ela atinge em igual proporção homens e mulheres, em geral inicia-se mais cedo no homem, por volta dos 20-25 anos de idade, e na mulher, por volta dos 25-30 anos. Nos casos mais graves, a esquizofrenia pode resultar em demência incurável.

Fonte:G1

Comentar

Comentar