Fred ainda tem mais um jogo para tentar desbancar a marca negativa. Mas em 19 edições da Copa do Mundo antes de 2014, só houve uma vez em que o jogador convocado e escalado pela seleção brasileira para fazer gols apresentou desempenho menos eficaz que o de Fred, que marcou apenas um gol em seis partidas vestindo a camisa 9 nesta Copa. Em 1966, a exceção: o centroavante Alcindo acabou eliminado com o Brasil na primeira fase com dois jogos e nenhum gol marcado. Em 2014, a ineficiência do centroavante concentrou em Neymar, o ponta esquerda, a responsabilidade por marcar gols. E colaborou para a eliminação nesta terça-feira, diante da Alemanha, na semifinal.

O único gol de Fred saiu contra Camarões, na terceira e última partida da fase de grupos. O Brasil venceu por 4 a 1 – foi o terceiro da seleção no jogo. O solitário gol do camisa 9 na Copa, tão difícil de acontecer, foi feito em finalização com o rosto ao tentar cabecear a bola. Fred passou em branco contra Croácia, México, Chile, Colômbia e, finalmente, Alemanha. Nesta terça-feira, o pior: foi completamente vaiado pelos torcedores nas arquibancadas do Mineirão, que um dia foi seu lar.
Historicamente, o Brasil sempre dependeu de seu centroavante – na maioria das vezes com a camisa 9 – durante as campanhas nas Copas do Mundo. Luis Fabiano foi talvez o melhor jogador do time de Dunga na África do Sul, em 2010, que também caiu nas quartas de final. Fez três gols nos mesmos cinco jogos. Repetiu o número da última Copa de Ronaldo, em 2006 – três gols em cinco jogos, também. Antes, o Fenômeno fez sete gols em sete jogos, em 2002, e quatro gols em sete jogos, em 1998.
Romário (1994), Careca (1990 e 1986), Serginho Chulapa (1982) e Roberto Dinamite (1978) também tiveram desempenho melhores que o de Fred. Nenhum deles conseguiu atingir o Ronaldo de 2002, mas todos conseguiram jogar e marcar o suficiente para não serem alvos principais de críticas. A exceção da lista histórica de centroavantes está para a Copa de 1974, quando Zagallo, técnico, armou um time que não tinha uma referência fixa na área.
Em 1974, o Brasil jogou a Copa em um 4-3-3 que teve cinco trios de ataque diferentes em sete jogos. Não havia centroavante. Jairzinho, ponta, sempre pelas laterais do setor ofensivo, chegou a ser colocado como referência do ataque e pediu para voltar à função de origem. Valdomiro, também fora da posição, foi escalado. Leivinha, Edu, Mirandinha, Dirceu e Paulo Cesar Lima também jogaram como titulares em meio à indecisão tática. Jairzinho , que jogou os sete jogos como titular – mas não como centroavante –, acabou a Copa com apenas um gol.
Agora, Fred precisará marcar dois gols em Brasília para não fechar o torneio como o segundo pior centroavante brasileiro na história das Copas, na disputa do 3º lugar, contra o perdedor do confronto entre Argentina e Holanda – acontece nesta quarta-feira, às 17h, no Itaquerão. A próxima partida do Brasil, no Mané Garrincha, será no sábado, às 17h.
OS CENTROAVANTES DO BRASIL EM COPAS:
1930: Preguinho – 3 gols/2 jogos
1934: Leônidas da Silva – 1 gol/1 jogo
1938: Leônidas da Silva – 7 gols/4 jogos
1950: Ademir Menezes – 9 gols/8 jogos
1954: Baltazar – 1 gol/2 jogos
1958: Vavá – 5 gols/4 jogos
1962: Vavá – 4 gols/6 jogos
1966: Alcindo – 0 gol/2 jogos
1970: Tostão – 2 gols/6 jogos
1974: —
1978: Roberto Dinamite – 3 gols/5 jogos
1982: Serginho Chulapa – 2 gols/5 jogos
1986: Careca – 4 gols/5 jogos
1990: Careca – 2 gols/4 jogos
1994: Romário – 5 gols/7 jogos
1998: Ronaldo – 4 gols/7 jogos
2002: Ronaldo – 7 gols/7 jogos
2006: Ronaldo – 3 gols/ 5 jogos
2010: Luis Fabiano – 3 gols/5 jogos
2014: Fred – 1 gol/6 jogos
Deixe seu comentário abaixo.
Fonte: Uol

Comentar

Comentar