Anistia Internacional divulgou balanço de mortos em ataques extremistas.Ao menos 2 mil pessoas teriam morrido nas últimas ações da organização.

Os combatentes islâmicos do Boko Haram mataram uma mulher em pleno parto, durante a mais ‘destruidora’ ofensiva em seis anos de atuação do grupo, no nordeste da Nigéria – denuncia a Anistia Internacional nesta quinta-feira (15).

Publicidade

Em um comunicado à imprensa, a organização de defensa dos direitos humanos divulga o relato de uma testemunha do ataque à cidade de Baga, às margens do lago Chade. A fonte, que não teve seu nome revelado, contou que uma mulher grávida foi morta durante o trabalho de parto, assim como várias crianças.

“Metade do bebê já havia saído, e ela morreu nessa posição”, afirmou a testemunha, citada pela Anistia.

Segundo a organização, centenas de pessoas podem ter sido assassinadas nesta ofensiva lançada em 3 de janeiro. O ataque parecia ter como alvo milícias civis de autodefesa que ajudam o Exército contra o Boko Haram.

Uma mulher entrevistada pela AI disse “que havia cadáveres para onde quer que eu olhasse”.

Um homem que conseguiu escapar da chacina de Baga, após permanecer escondido por três dias, contou ter ‘andado sobre os cadáveres’ por cinco quilômetros em sua fuga.

A Anistia também divulgou imagens de satélite de Baga e Doron Baga, a 2,5 km de distância, mostrando a extensão dos ataques. “Essas imagens detalhadas mostram as proporções catastróficas da devastação nas duas cidades; uma delas tendo quase sido varrida do mapa no intervalo de quatro dias”, declarou o investigador da ONG na Nigéria, Daniel Eyre.

Para a Anistia, os testemunhos e as imagens de satélite contribuem para provar que a ofensiva do Boko Haram é ‘a maior e mais destruidora’ já cometida pelo grupo em seu combate para estabelecer um califado islâmico no nordeste da Nigéria.

Mais de 3.700 estruturas foram danificadas, ou destruídas – 620, em Baga; e 3.100, em Doron Baga -, segundo estimativa da Anistia Internacional. A organização alerta que esse número pode ser bem maior.

Esta semana, o Exército nigeriano declarou que 150 pessoas foram mortas e rejeitou as estimativas ‘sensacionalistas’ de mais de dois mil vítimas fatais. Em geral, a tendência da corporação é minimizar os balanços das vítimas.

Os observadores avaliam que será quase impossível saber o número exato, já que o acesso à cidade de Baga e a seus arredores está sob controle rebelde.

Autoridades locais informaram que 16 povoados foram queimados, e 20 mil moradores fugiram da região. “Os assassinatos deliberados de civis e a destruição de seus bens por parte do Boko Haram constituem crimes de guerra e crimes contra humanidade e pedem uma investigação”, declarou a Anistia Internacional.

O ataque de Baga acontece a pouco menos de um mês das eleições presidencial e legislativas, previstas para 14 de fevereiro. A escalada da violência tem como objetivo desestabilizar o pleito.

Deixe seu comentário.

Fonte: G1

Comentar

Comentar