A pandemia de COVID-19, com todas as suas incertezas e ausência de tratamentos específicos ou de uma vacina, continua sendo motivo de preocupação para todos. A Organização Pan-Americana da Saúde tem prestado apoio técnico ao governo e Ministério da Saúde do Suriname para a resposta à COVID-19, com foco em salvar vidas, proteger os profissionais de saúde e retardar a propagação da doença por meio de nove pilares de resposta: coordenação, planejamento e monitoramento; comunicação de risco e envolvimento da comunidade; vigilância, equipes de resposta rápida e investigação de casos; pontos de entrada; laboratórios nacionais; prevenção e controle de infecção; gestão de casos; operações de apoio e logística e manutenção de serviços essenciais de saúde.

À medida que os países passam por vários estágios de transmissão, esforços devem ser fortalecidos para controlar a disseminação e mitigar o impacto da COVID-19 na saúde, economia e bem-estar social de seu povo. Isso não é diferente para o Suriname. Isso requer a identificação e o isolamento precoces dos casos, o rastreamento de contatos dos indivíduos que foram expostos a um caso confirmado ou provável de COVID-19 e a quarentena de tais pessoas. Somente então a propagação da doença pode ser retardada.

Para países como o Suriname, que enfrentam transmissão por conglomerados de casos, o rastreamento de contatos é um componente importante da estratégia de vigilância que visa permitir a detecção precoce de novos casos entre indivíduos que foram expostos ao vírus SARS-CoV-2 e, portanto, apoia o controle da transmissão. O rastreamento de contatos nos ajuda a estar um passo à frente em relação à transmissão do vírus, a identificar novos casos no estágio inicial da doença antes que eles possam infectar outras pessoas, bem como a identificar novas comunidades onde a infecção pode estar ocorrendo. Esta estratégia tem sido amplamente utilizada como um meio primário para o controle de doenças infecciosas, por exemplo, tuberculose, HIV, sarampo, doença pelo vírus Ebola, SARS e outros.

Os relatos de casos do COVID-19 dependem de pessoas acessando os serviços de saúde e fazendo testes, o que pode resultar em subnotificação de casos em que as pessoas não procuram atendimento e onde o nível de teste é baixo. Portanto, os casos capturados e relatados pelo sistema de vigilância epidemiológica COVID-19 podem diferir dos casos reais na comunidade e sub-representar o verdadeiro ônus da epidemia. Isso ocorre especialmente quando existem barreiras socioeconômicas, culturais ou de gênero para acessar serviços de saúde em áreas geográficas específicas ou que afetam populações em situações de vulnerabilidade.

Os esforços de rastreamento de contatos complementam outras medidas de saúde pública, como distanciamento físico, higiene das mãos e restrições de viagens, que visam reduzir a transmissão e limitar a propagação de doenças (‘achatando a curva’). No entanto, quando o número de casos de COVID-19 aumenta a um ponto em que o rastreamento tradicional de contatos não é mais viável, o que acontece, por exemplo, quando a transmissão passa de conglomerado de casos para transmissão pela comunidade, as autoridades de saúde podem optar por usar outras estratégias para documentar melhor o ônus da doença. Isso inclui o monitoramento de tendências em outras condições que se apresentam de maneira semelhante ao COVID-19, como doenças semelhantes à influenza (ILI) e doenças respiratórias agudas graves (SARI) ou o monitoramento das tendências de mortes por todas as causas ou mortes entre pacientes com SARI. A condução da vigilância da mortalidade por todas as causas através do registro de todas as mortes semanais e da comparação desse número com os valores de linha de base estabelecidos poderia fornecer informações mais detalhadas sobre mudanças na mortalidade; poderia melhorar as informações locais sobre a disseminação e a carga da COVID-19 e complementar outros esforços de vigilância da doença.

O foco também no monitoramento de doenças em ambientes fechados, que concentram populações de alto risco, como hospitais e casas de repouso, priorizam contatos vulneráveis, como profissionais de saúde e idosos, e pode dar uma indicação das tendências da carga da doença.

Essas estratégias devem agora ser consideradas para o Suriname e medidas implementadas para prepará-las e implementá-las. Todas as estratégias de vigilância se complementam e, a qualquer momento, podem ser usadas sozinhas ou combinadas.

A OPAS tem trabalhado para apoiar o Suriname no fortalecimento da vigilância da COVID-19, incluindo rastreamento ativo de contatos, com base nos sistemas de vigilância de doenças respiratórias agudas graves / doença do tipo influenza (SARI / ILI) que incorporem a COVID-19 e a vigilância entre trabalhadores de saúde. Também será fornecido apoio ao fortalecimento da vigilância da mortalidade afim de detectar excesso de mortes devido à COVID-19.

No entanto, apesar do fortalecimento da vigilância para fornecer informações sobre o ônus da doença e outros fatores que informam as medidas de controle, a responsabilidade compartilhada de cada indivíduo de aderir às medidas de distanciamento físico, lavagem das mãos, etiqueta da tosse, auto isolamento e busca por assistência médica precoce não podem ser suficientemente enfatizados. A luta contra a COVID-19 não é apenas para o setor da saúde ou para o governo, mas é uma luta para todos. Cada pessoa tem um papel a desempenhar na prevenção e controle da propagação da COVID-19 no Suriname.

Dra. Karen Lewis-Bell

Representante da OPAS/OMS no Suriname