Para os celulares, atualização estará disponível a partir do iPhone 6S. Empresa também mostrou novidades para o relógio inteligente Watch.

PUBLICIDADE

A Apple anunciou nesta segunda-feira (3) o iOS 13, nova geração dos sistemas operacionais móveis da empresa, que irá permitir uma melhor integração e independência dos smartphones, relógios e computadores.

A empresa também anunciou que o iTunes passa a ser apenas uma aba nas configurações dos dispositivos, e não mais um aplicativo para reprodução de músicas e vídeos. Isso vale para o Mac a partir do novo sistema operacional, chamado de Catalina.

As novidades foram reveladas no WWDC, o congresso para desenvolvedores da empresa, que acontece em San José, nos Estados Unidos.

Novo iOS

Veja as versões de aparelhos que poderão baixar a atualização:

  • iPhone a partir do 6S
  • iPad Pro
  • iPad Air 2
  • iPad Mini 4

O iOS 13 chega com uma série de novidades. A principal delas é o inédito modo noturno, que apresenta aplicativos em tons de preto ou azul, com menor incidência de brilho e mais economia de bateria.

No novo sistema operacional, a Apple prometeu que os aplicativos terão atualizações com tamanho 50% menor. Os programas também devem ser abertos na metade do tempo, na comparação com o iOS 12.

Há novas funções para o assistente de voz da empresa. Além de uma fala mais natural, agora a Siri pode ler uma mensagem que chega para você enquanto você está ocupado. Além disso, ela também poderá identificar a voz de membros da família do usuário.

A Apple também aproveitou para apresentar atualização para o programa de mapas. Agora, eles serão mais detalhados, incluindo um modo de visualização das ruas. É uma tentativa da empresa de concorrer com o Google Maps.

iPad com sistema próprio

Outra novidade importante é a introdução de um sistema operacional próprio para o iPad, o tablet da Apple. Com isso, os novos aparelhos não terão o iOS.

Com esse novo sistema, será possível trabalhar mais aplicativos ao mesmo tempo, tornando os tablets mais próximos dos computadores do que dos celulares. Há anostem tentado emplacar iPads como um bom substituto para computadores.

Mas, embora o hardware tenha recebido uma atualização grande, o software ainda era muito parecido com a operação de um smartphone. Com o iPadOS será possível ter um sistema próprio que irá garantir mais liberdade para os usuários de tablet.

A Apple também promoveu alterações específicas para o iPad no navegador Safari. O programa vai ganhar uma interface com cara de computador no tablet: será possível utilizar o navegador com a possibilidade de ter o mesmo desenho que ele tem para desktop.

Será possível compartilhar pastas com a nuvem e até conectar USB no iPad. Além disso, o iPad Pro, que tem uma entrada USB-C, será compatível com pendrives que têm essa entrada.

Computador topo de linha

A Apple também mostrou o novo Mac Pro, “o computador mais potente” já feito pela empresa, nas palavras de Tim Cook, presidente da companhia.

“Nós desenvolvemos para pessoas que precisam trabalhar com renderização, edição de vídeo”, completou Cook.

Entre as especificações do novo Mac Pro, o processador terá 28 núcleos, e a memória RAM pode chegar a 1,5 tb. Outra novidade é a introdução do controle de voz para o aparelho.

Além do Mac Pro, a Apple também apresentou um novo monitor, chamado Pro Display XDR. Ele tem resolução 6K e tela de 32 polegadas. Caso o cliente prefira, será possível usar o iPad como segunda tela.

Vinda do iPhone, a função Screen Time é outra novidade no Mac. Com ele, é possível saber quanto tempo o usuário gasta em cada aplicativo.

Agora, os preços. Nos Estados Unidos, o Mac Pro custará a partir de US$ 5.999, enquanto o Pro Display XDR será vendido por US$ 4.999. Além disso, suportes são vendidos separadamente. Ou seja, um computador completo não sai por menos de US$ 11 mil.

As vendas começam em setembro, e não há previsão de preços para o Brasil.

Projeto Catalyst

A Apple ainda apresentou o chamado projeto Catalyst. Com ele, agora, o sistema de código é o mesmo pra iOS e pra MacOS. Isso permite fazer aplicativos para computador e para iOS de maneira mais eficiente, segundo a empresa.

Essa função é a continuação do Marzipan, um projeto que a Apple anunciou em 2018 para integrar os diferentes aparelhos da empresa em termos de aplicativos.

Relógio independente

Também há novidades para o relógio inteligente da empresa, o Apple Watch. A partir de agora, haverá aplicativos próprios para o aparelho, eliminando a dependência de conexão com um iPhone. Antes, era preciso que os aplicativos fossem baixados no celular.

Os novos modelos terão gravador de voz e calculadora, que permitirá dividir contas com outros usuários. As funções relacionadas a atividades físicas também foram aprimoradas.

Por meio de um aplicativo, o relógio também poderá dizer se você está em um ambiente muito barulhento. A Apple afirmou, no entanto, que não irá gravar nenhum áudio do usuário.

Outra frente que a Apple tem atuado é na saúde. Haverá um aplicativo que poderá mensurar o ciclo menstrual, por exemplo. Além disso, o iPhone ganhou recentemente funções de eletrocardiograma e monitoramento cardíaco.

Outras novidades

A função de logar em um serviço, muito comum com Google e Facebook, agora vai ganhar uma opção da Apple. Chamada de login com Apple, a nova funcionalidade vai permitir que o usuário utilize a conta da Apple, em vez de criar uma nova.

Para garantir a segurança, a empresa permite criar uma máscara de e-mail falso para logar em um serviço, garantindo a anonimidade do usuário. Ficará a cargo dos desenvolvedores dos serviços permitir que o login seja feito desta forma.

Há novas ferramentas de controle do usuário. A partir de agora, é possível compartilhar a localização do aparelho com o aplicativo apenas uma vez, e exigir que ele pergunte de novo quando precisar. Antes as opções eram “sempre'” ou “enquanto utiliza o app”.

Mudança de direção

Com as novas apresentações a Apple busca um futuro em que os iPhones, que durante anos foram a principal fonte de faturamento da gigante de tecnologia, não sejam a parte central para os outros produtos e aparelhos da marca.

A Apple também afirmou que 97% de sua base de clientes se diz satisfeita com o sistema operacional iOS. De acordo com a empresa, 85% dos usuários utiliza a versão mais recente.