spot_img
spot_img

TRAGÉDIA: Adolescente é suspeita de iniciar incêndio em dormitório estudantil na Guiana que matou 19 jovens

Jovem admitiu ter iniciado as chamas após ter aparelho celular confiscado por supervisores

Atualizado há

Uma adolescente é suspeita de iniciar o incêndio que matou 19 jovens e feriu outras 17 em um dormitório estudantil na cidade de Mahdia, no sudoeste da Guiana, depois que seu celular foi confiscado por supervisores, informou a polícia na terça-feira.

“As investigações policiais sobre o incêndio mortal de domingo à noite em Mahdia, que custou a vida de 19 pessoas, revelam que uma estudante é suspeita de iniciar o incêndio devastador porque o supervisor do dormitório e um professor levaram seu telefone celular”, indica o relatório policial.

Mais cedo, um alto funcionário revelou à AFP sob sigilo que a jovem admitiu ter iniciado o incêndio. O informante disse que testemunhas apontaram que a aluna havia ameaçado incendiar as instalações em protesto contra a apreensão de seu celular pela administradora da residência escolar.

- Publicidade -

“Eles não estão autorizados a ter telefones celulares e encontraram essa garota com um telefone. Aparentemente ela estava enviando fotos. Então, pegaram o telefone da garota, que ameaçou naquela mesma noite incendiar o prédio”, disse o funcionário.

Segundo o funcionário, minutos depois que o celular foi confiscado, a adolescente foi ao banheiro e borrifou inseticida em uma cortina enquanto acendia um fósforo. Apesar dos esforços de outros estudantes para extinguir o fogo, as chamas rapidamente atravessaram o telhado de madeira e destruíram todo o prédio.

Custódia

A responsável pela residência, cujo filho está entre as vítimas mortais, disse à polícia que entrou em pânico e não conseguiu encontrar a chave correta para abrir a porta, o que atrasou a evacuação. A estudante que provocou as chamas permanece sob custódia policial no Hospital Mahdia enquanto as autoridades tentam determinar se ela pode ser acusada de acordo com a Lei de Justiça Juvenil.

O Conselheiro de Segurança Nacional e Capitão aposentado do Exército Gerry Gouveia disse que uma equipe de especialistas forenses de Barbados chegou à Guiana para ajudar na análise de DNA que vai identificar os corpos. Além disso, especialistas forenses dos Estados Unidos se juntarão às tarefas de reconhecimento nos próximos dias.

Comentar

Comentar

spot_img
spot_img
spot_img
spot_img
spot_img

Mais do LPM

spot_img
Custom App
Phone
Messenger
Email
WhatsApp
Messenger
WhatsApp
Phone
Email
Custom App