O Suriname e a China fecharam seu primeiro projeto de cooperação técnica agrícola. Trata-se do “Centro de Cooperação Técnica Agrícola”, para o qual foi assinado um acordo de cooperação na segunda-feira (21). 

A assinatura foi realizada em Tijgerkreek, no distrito de Saramacca, envolveu o Ministério da Agricultura, Pecuária e Pescas (LVV) e a empresa chinesa China Hunan Linshi. O período de implementação do projeto, iniciado pelo presidente Chandrikapersad Santokhi e pelo embaixador chinês Han Jin, é de três anos.

O Presidente Santokhi deu as boas-vindas a esta ocasião. Ele indicou que o governo já colocou uma área de mais de 200.000 hectares à disposição do Ministério da LVV para impulsionar o setor agrícola. O chefe de Estado diz que o projeto se enquadra na visão do governo para o desenvolvimento do setor. Segundo ele, Saramacca possui terras aptas para a produção de diversas culturas, como milho e soja, que também podem ser facilmente processadas em larga escala. Além disso, o terreno também é propício para a criação de gado e, consequentemente, para a produção de carne, tendo o milho e a soja como matérias-primas para alimentação animal. 

A curto prazo, o Ministério de LVV convidará o setor privado para discutir sua participação neste projeto. O presidente Santokhi fez parte de uma base de demonstração, onde estão sendo feitas experiências com o cultivo de milho e soja, entre outras coisas. Ele também foi informado sobre a introdução de mais de 20 tipos de vegetais.

“Este investimento garantirá o desenvolvimento do setor agrícola no Suriname”, observou o chefe de Estado. Segundo ele, esse desenvolvimento não só oferece emprego, mas também leva ao aumento da produção. A produção local também garantirá que menos alimentos sejam importados. 

“Deveria haver mais projetos de investimento desse tipo para o setor agrícola”, disse o presidente Santokhi, que expressou sua gratidão ao governo da República Popular da China pelo apoio no valor de US$ 10,5 milhões, bem como pela experiência disponibilizada para apoiar o setor agrícola e os agricultores do Suriname.

Comentar

Comentar