Foto: Reprodução

A série original da Netflix Coréia, “Narco-Saints”, é atualmente o quarto programa mais assistido na plataforma de streaming em todo o mundo, depois de chegar ao terceiro lugar. O programa está provando ser um sucesso desde o lançamento em 9 de setembro, mas se tornou o centro de uma controvérsia diplomática, bem como outro exemplo da falta de sensibilidade cultural da mídia coreana quando se trata de representações de países estrangeiros.

“Narco-Saints” é intitulado “Suriname” em coreano, tomando o nome do país latino-americano onde está situado. A série de seis episódios é vagamente baseada na história real de Cho Bong-haeng, um traficante coreano que dirigiu uma grande organização de tráfico de drogas no Suriname entre o final dos anos 1990 e o início dos anos 2000. O início de cada episódio estipula que a série é “inspirada em uma história real, mas os personagens e eventos da série foram recriados para fins dramáticos”.

Publicidade

No entanto, “Narco-Saints” retrata a ex-colônia holandesa como um país repleto de atividades de gangues e tráfico de drogas pesadas, com policiais corruptos e até um presidente que aceita subornos do traficante coreano.

O sucesso do show não foi uma boa notícia para o governo do Suriname. Albert Ramdin – o ministro de Relações Exteriores, Negócios Internacionais e Cooperação Internacional do Suriname – disse durante uma entrevista coletiva na semana passada que tomará medidas legais contra os produtores de “Narco-Saints” por sua descrição do Suriname como um país corrupto associado às drogas. O ministro Ramdin disse que enviará uma carta oficial de objeção aos produtores, bem como entrará em contato com funcionários diplomáticos coreanos.

A reação do público coreano à forte objeção do governo do Suriname foi mista. Alguns defendem o programa, dizendo que a história e o título foram simplesmente inspirados em fatos reais que realmente aconteceram no Suriname. Outros criticam a decisão dos produtores de nomeá-lo “Suriname”, perguntando como os coreanos se sentiriam se um programa intitulado “Korea” em uma plataforma global retratasse o país de forma negativa. Muitos coreanos também confessaram que ficaram surpresos ao saber que o Suriname é um país real, não uma nação fictícia no programa.

Os comentários dos moradores do Suriname também parecem ser mistos, com alguns se ofendendo e alguns reagindo cinicamente em relação ao ministro Ramdin, dizendo que a representação em “Narco-Saints” não está muito longe da realidade. À medida que as críticas se tornaram amplamente divulgadas, a embaixada coreana na Venezuela, que também cobre o Suriname, alertou os moradores coreanos locais a prestarem atenção especial à sua segurança.

Comentar

Comentar