O presidente da República do Suriname, Desiré Delano Bouterse, falou na Assembléia Nacional (DNA) sobre a polemica envolvendo a segurança nos vôos da companhia aérea nacional do Suriname (SLM).

Segundo o presidente Desi Bouterse, o problema não está na companhia aérea em si, mas na empresa responsável pelo carregamento das aeronaves.

Publicidade

“O governo deu a ordem para que o contrato com a empresa que presta este serviço fosse interrompido imediatamente”, informou o Instituto Nacional de Informação (NII) na terça-feira, 27 de fevereiro. O presidente em seu discurso na Assembléia Nacional (DNA) disse ainda que não há nada de errado com a SLM e sim com a empresa citada que não manteve os acordos deixando a desejar quanto a qualidade nos serviços prestados.

O chefe de Estado se pronunciou sobre o assunto porque vazou para a imprensa a informação de que um descontrole no carregamento das aeronaves poderia colocar em risco a vida dos passageiros da SLM.

O chefe de Estado explicou que durante um ano e meio a SLM esteve ocupada em resolver o problema com a empresa responsável pelo carregamento e apesar disso, não houve melhorias, de acordo com o presidente. “Possivelmente um risco de segurança poderia surgir se nenhuma ação fosse tomada”, acrescentou o presidente.

O ministro Jerry Miranda, das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, vai intervir através das estruturas apropriadas, mas o presidente Desi Bouterse adiantou que o governo está à procura de uma nova empresa experiente que cumpra as normas e regras de segurança.

Deixe seu comentário abaixo.

Comentar

Comentar