O presidente surinmês declarou-se contra a intervenção militar na Venezuela apoiada pelos Estados Unidos da América.

“Serão feitos todos os esforços para preservar a América do Sul como uma região de paz”, declarou o presidente Desi Bouterse na última quinta-feira (10) na Assembléia Nacional do Suriname (DNA).

Publicidade

O presidente desaprovou firmemente qualquer intervenção militar na Venezuela dizendo que não vai apoiar tal decisão porque sabe que por meses a Venezuela tem sido refém de agitação política. Em uma videoconferência de emergência com os líderes da Caricom no início desta semana, o Suriname sugeriu enviar uma missão ao país vizinho para intermediar uma solução pacífica entre o governo e a oposição para solucionar os problemas políticos. Durante a reunião de emergência que durou mais de três horas, os líderes enfatizaram especialmente o diálogo entre todas as partes interessadas no conflito no país vizinho que é rico em petróleo.

No início do mês de julho, o governo do Suriname sugeriu em sua reunião anual uma tentativa de mediação em Caracas e o representante do governo surinamês em seguida foi recebido calorosamente pelo presidente Nicolas Maduro, da Venezuela.  O presidente Desi Bouterse mantém no parlamento o argumento de que a posição de seu governo sobre a situação na Venezuela não é baseado em publicações de mídia do país vizinho, mas se baseia em informações e relatórios de organizações independentes e representantes oficiais em Caracas.

O presidente salientou ainda que muitas informações divulgadas para o mundo estão sendo manipuladas por interesses dos partidos de oposição e organizações que lutam para derrubar o governo do presidente Nicolas Maduro e acrescentou que o governo do Suriname tem representantes em Caracas que tem enviado relatórios frequentes a Paramaribo informando a realidade do que está acontecendo na Venezuela.

O Suriname não interfere em assuntos internos do país vizinho e estará sempre pronto para apoiar as nações amigas na manutenção da lei e da ordem”, disse o chefe de Estado.

Deixe seu comentário abaixo.

Comentar

Comentar