O câncer de pulmão é comumente associado ao fumo, mas os índices da doença entre não fumantes – e mulheres – estão subindo.

Anne-Marie Baird, pesquisadora de câncer de pulmão da Universidade Trinity College, em Dublin, é alvo de reações variadas das pessoas quando lhes conta sua profissão. Uma das mais memoráveis foi quando ouviu de um participante de uma conferência acadêmica: “Por que você perde tempo pesquisando isso? Eles merecem – e vão todos morrer de qualquer jeito”.

Publicidade

O câncer de pulmão é o câncer mais comum globalmente, com 1,8 milhão de novos casos diagnosticados em 2012 (os dados mais recentes disponíveis). E 58% dos novos casos estão em países em desenvolvimento.

Para piorar, nas últimas décadas, a sobrevivência dos pacientes não aumentou muito. Entre 1971 e 1972, a chance de sobreviver por 10 anos após o diagnóstico era de apenas 3%. Entre 2010 e 2011, apenas 5%.

No mesmo período, uma mulher com câncer de mama quase dobrou sua chance de viver 10 anos após o diagnóstico – de 40% para 78,5%.

Uma crença comum sobre o câncer de pulmão é que de que ele é autoinfligido pelo fumo – e que o problema eventualmente vai desaparecer quando todos abandonarem o hábito de fumar. Mas, além de isso não ajudar em nada os fumantes que atualmente sofrem da doença, há duas falhas grandes em relação a esse pensamento.

Em primeiro lugar, os casos de câncer de pulmão não estão diminuindo ao redor do mundo.

A diferença de gênero é um exemplo óbvio. Mais homens que mulheres ainda são diagnosticados com câncer de pulmão – e nos EUA, o risco é de 1 em 15 durante toda a vida enquanto o da mulher é de 1 em 17. Mas enquanto um estudo americano recente descobriu que o índice de câncer de pulmão entre os homens continua declinando, entre as mulheres jovens ele aumentou. E, globalmente, enquanto o número de homens diagnosticados com câncer de pulmão diminuiu nas últimas duas décadas, entre elas aumentou em 27%.

Os pesquisadores não sabem por quê. Mas há algumas pesquisas sugerindo que mulheres podem reagir de maneira diferente à nicotina e que o DNA delas é danificado mais facilmente e mais profundamente pelos carcinógenos do tabaco.

Os riscos à saúde das mulheres podem se tornar aparentes mais tarde porque as mulheres começaram a fumar depois dos homens. Poucas mulheres fumavam nos anos 1920 nos EUA, por exemplo. Mas, conforme o hábito começou a ser vendido – e visto – como um símbolo de emancipação, os índices de fumantes mulheres aumentaram. Um estudo feito em mais de 100 países descobriu que a ligação entre igualdade de gênero e taxas de fumantes persiste.

“Em países onde as mulheres têm mais empoderamento, as taxas de mulheres fumantes são mais altas que as dos homens”, escrevem os pesquisadores Sara Hitchman e Geoffrey Fong.

Como resultado, apesar de os homens terem 5 vezes mais probabilidade de fumar do que as mulheres, isso não é verdade em muitos países. Nos EUA, 22% dos homens e 15% das mulheres fumam; na Austrália, 19% dos homens e 13% das mulheres; no Brasil, são 11% das mulheres e 9% dos homens. E quanto mais jovens, menor a diferença de gênero. Nos grupos de jovens entre 13 e 15 anos de idade, 12% das meninas fumam, comparados a 15% dos meninos nos EUA.

“O empoderamento das mulheres deve continuar”, escrevem Hitchman e Fong. “Mas o ruim precisa continuar atrelado ao bom?”

Segunda mão

Embora fumar cause aproximadamente 85% dos problemas de câncer de pulmão – e a única grande coisa que possamos fazer para reduzir o risco de ter câncer de pulmão (e de outros tipos) seja não fumar -, não fumar não necessariamente garante proteção contra a doença.

“O câncer de pulmão em pessoas que não fumam não é uma questão trivial”, diz Charles Swanton, médico chefe da organização Cancer Research UK. “Na minha experiência, de 5% a 10% dos pacientes (de câncer de pulmão) nunca fumaram”.

Cânceres de pulmão relativos e não relativos ao fumo são muito diferentes. Diferentes genes são mudados ou entram em mutação em cada caso. Para os não fumantes, o câncer geralmente é causado por mudanças no gene EGFR – que pode ser combatido com novas e eficazes drogas.

Causa do câncer

Em geral, os cânceres se desenvolvem quando dão errado os processos normais que nos mantêm saudáveis e vivos ao criar novas células. Químicos cancerígenos, luz ultravioleta e vírus podem danificar o DNA nas células, causando um problema cancerígeno. Mas em muitos casos não há um risco externo identificável – e pode ser esse o caso para alguns não fumantes que têm câncer de pulmão.

Mas além dos carvões e carburantes de cozinha, há outros fatores, como gás de radônio ou amianto, o que pode aumentar a probabilidade de câncer de pulmão.

Há também temores – e manchetes – sobre poluição do ar, que foi listada como um carcinógeno pela Agência Internacional de Pesquisa sobre Câncer em 2013. O órgão estimou que 223 mil mortes anuais de câncer de pulmão podem ser atribuídas a minúsculas partículas originárias de descargas de diesel e construção chamadas PM2.5. Mais da metade dessas mortes ocorreram na China e em outros países do Leste Asiático que passaram por uma rápida industrialização que resulta em cidades envoltas em smog.

Ainda assim, como diz a organização Cancer Research UK: “a poluição do ar aumenta o risco de câncer de pulmão, mas o risco é pequeno para cada pessoa então é importante colocar isso em perspectiva e não se trancar dentro de casa”.

Fonte: G1

Foto: Soldada voluntária fuma no meio de outros soldados durante intervalo nas atividades militares em Buenos Aires (Foto: Marcos Haupa/FEATURE/ARGENTINA-MILITARY MH/HB/Reuters)

Comentar

Comentar