— Foto: Luiz Paulo
Publicidade

Lilian é apenas uma das várias surinamesas que não concordam com o bloqueio total instituído pelo governo, que começa nesta sexta-feira, dia 16, depois que o país confirmou a presença das variantes. Para a servidora pública, em nada adianta restringir a população apenas aos finais de semana mesmo com a pandemia atingindo índices elevados de infectados.

Publicidade
Você acredita que o lockdown ajuda conter a pandemia da Covid-19?

“É uma porcaria essa medida. Não faz sentido, sobretudo, porque durante a semana ainda tem gente na rua”, disparou. Da mesma opinião compartilha Wikash. O vendedor explica que seu tempo é apertado de segunda a sexta e que só tem oportunidade de fazer compras aos sábados e domingos, o que, com o bloqueio, acaba ficando inviável. “Agora, com isso, fica mais difícil. Tenho que me apressar para fazer as compras na hora, antes mesmo do fechamento das lojas”, adiantou.

Vanessa Prins encontrou no bloqueio um oportunidade para usar bem o seu tempo

Já a empresária Vanessa Prins vê o bloqueio total com bons olhos. Ela relata ter aprendido a usar melhor o tempo. “Isso me ensinou a usar bem o meu tempo”, reiterou, em entrevista ao LPM News.

Ela pontua o cenário da pandemia no Suriname e faz um alerta. “Já aconteceu e não podemos mudar. Você pode, portanto, usar sua energia positivamente”, completou a empresária, que administra uma empresa de entrega de alimentos. Os cenários e as avaliações distintas mencionadas acima não interferem nas decisões do governo, que leva em considerações os números.

O país se aproxima dos 9.500 casos de Covid-19. Nas últimas 24 horas, o Suriname registrou mais uma morte, totalizando 185 desde o começo da pandemia. As autoridades do mundo inteiro entendem que, além da vacina, é importante manter as medidas de prevenção, como o uso de máscaras e higiene pessoal individual.

Vacinados somam mais de 30 mil

O governo do Suriname já recebeu, até agora, 75 mil doses da vacina AstraZeneca, sendo a última remessa do consórcio mundial da Covax. Desse total, pelo menos 33 mil já foram aplicadas em primeira dose. De acordo com apuração do LPM News, a segunda dose será disponibilizada à população a partir de 4 de maio.

Comentar

Comentar