Dois ex-vereadores e um ex-deputado foram indiciados pela Polícia Civil.’Cabeça’ do esquema conseguiu o benefício de delação premiada.

A denúncia de exploração sexual envolvendo políticos foi aceita pela Justiça no dia 4 de maio, mas divulgada nesta segunda-feira (11). Dois ex-vereadores e um ex-deputado estadual de Mato Grosso do Sul agora são réus. Além deles, Fabiano Otero, considerado o “cabeça” do esquema, conseguiu a delação premiada no dia 29 de abril e um empresário também foram indiciados.

Publicidade

O processo corre em segredo de justiça, desde o dia 30 de abril, para preservar as adolescentes envolvidas, conforme os termos do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). A fase seguinte é a citação dos réus e abertura de prazo para apresentação da defesa.

Segundo o Ministério Público de Mato Grosso do Sul (MP-MS), foram constatados indícios dos crimes de exploração sexual, extorsão, corrupção de menores, tráfico de menor de idade para fins de exploração sexual, posse de material pornográfico de adolescentes, prática de sexo com menor em relação de prostituição e associação criminosa com participação de menores.

Além de Otero, os ex-vereadores Alceu Bueno (PSL) – renunciou ao mandato no dia 28 de abril deste ano – e Robson Martins, o ex-deputado estadual Sérgio Assis, o empresário Luciano Pageu foram indiciados por exploração sexual de adolescentes.

Luciano Pageu, Robson Martins e Fabiano Otero também respondem por extorsão. Os três estão presos. Os dois primeiros foram autuados em flagrante no dia 16 de abril quando recebiam dinheiro de Bueno e o último foi encontrado na casa da mãe no dia 26.

As investigações complementares estão sendo realizadas pelo MP-MS, Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) e Polícia Civil.

O caso
O delegado Paulo Sérgio Lauretto, Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), que investiga o caso, disse que depois de encontrar com as meninas emlocais públicos, os políticos seguiam com elas para motéis. As meninas gravavam os encontros em câmeras escondidas em chaveiros.

As cópias das gravações foram entregues ao MP-MS. Três meninas de 15 anos estariam envolvidas com os políticos. Duas teriam saído com eles. Pelos relatos de Otero à polícia, foi verificado que elas cobravam cerca de R$ 600 por encontro.

O início
Segundo o delegado, Otero revelou ainda em depoimento que ele e Pageu teriam criado um perfil ‘fake’ no Facebook, com fotos sensuais de uma das adolescentes. Políticos então teriam começado a enviar convites de amizade e a manter contato.

De acordo com a oitiva, Otero e Pageu estavam tentando verificar se o negócio daria certo. A partir daí eles marcariam encontros e enviariam convites para outros políticos.

A polícia começou a investigar a exploração sexual no início de abril, após denúncia feita pela mãe de uma das meninas, moradora em Coxim, distante 257 quilômetros de Campo Grande. Depois, foi Bueno quem contou aos policiais que estava sendo vítima de extorsão.

Deixe seu comentário abaixo.

Fonte: G1

 

Comentar

Comentar