spot_img
spot_img

Polícia pede exumação do corpo de homem suspeito de matar aeromoça

Atualizado há

Marido é o principal suspeito; Michelli Nogueira morreu por asfixia.Corpo dela foi encontrado em uma mala em Nazaré Paulista (SP)

A Polícia Civil pediu a exumação do corpo de Juliano Arrabal, suspeito de matar a aeromoça Michelli Nogueira e jogar o corpo em uma mala na represa Atibainha no último dia 9. O objetivo é recolher material genético e sangue dele para ser comparado àquele encontrado no local do crime – a residência do casal em Sumaré (SP). O exame é necessário para descartar a possibilidade de um terceiro suspeito na casa onde a comissária supostamente foi morta.

O corpo da comissária foi encontrado às margens da represa em Nazaré Paulista (SP). O marido, Juliano Arrabal, é principal suspeito de ter matado a esposa estrangulada. Ele teria se matado depois do crime.

De acordo com o delegado da Delegacia Seccional de Bragança Paulista, José Henrique Ventura, responsável pela investigação, apenas com essas provas técnicas será possível concluir o inquérito.

“Ao ser feita a necrópsia do corpo de Michelli, já foi coletado o sangue e pedaços da unha, como é convencional em casos de homicídio. Mas o delegado de Sumaré não pediu que fosse recolhido material genético e sangue de Juliano, porque isso não é comum em casos de suicídio. Ele acabou não levando em consideração que a morte de Juliano estava ligada à morte de Michelli”, esclareceu. O pedido de exumação foi feito em caráter de urgência.

Na residência do casal, a Guarda Municipal encontrou o corpo de Julio Arrabal, e além dos vestígios de sangue no chão e em uma faca, uma garrafa quase vazia de vodca e material usado para consumo de drogas foram encontrados, de acordo com o Boletim de Ocorrência. No banheiro, sete embalagens vazias usadas para armazenar drogas estavam dentro de um cesto. Em outro quarto, havia uma nota de R$ 2 enrolada.

Apesar da casa ter uma garagem, o carro de Arrabal estava estacionado na rua.

A Polícia Civil tem  30 dias para concluir o inquérito, mas deve pedir novo prazo. “Possivelmente teremos que pedir [à Justiça] que estenda o prazo para mais 30 dias, pois apenas com essas provas poderemos concluir as investigações”, disse.

Deixe seu comentário abaixo.

Fonte: G1

 

Comentar

Comentar

spot_img
spot_img
spot_img

Mais do LPM

spot_img
Custom App
Phone
Messenger
Email
WhatsApp
Messenger
WhatsApp
Phone
Email
Custom App