Foto: Petrobras

A companhia francesa de petróleo e gás Total está compensando o Suriname em mais de 44 milhões de euros devido às emissões de CO2. A Total, uma das maiores empresas que planeja produzir petróleo no Suriname, quer se proteger contra futuras emissões de CO2. É a primeira vez que o Suriname é compensado dessa forma.

Com uma área de mais de quinze milhões de hectares de floresta, mais de 90% da área total do país, o Suriname é um dos países mais florestados do mundo. Portanto, pode absorver grandes quantidades de CO2. A floresta também é muito importante como habitat para as comunidades locais e para a conservação da biodiversidade. O Suriname usará principalmente o dinheiro da Total para fortalecer várias instituições e organizações envolvidas com o meio ambiente e o manejo florestal.

Publicidade

Da forma como está, o Suriname poderá lucrar bem com as receitas do petróleo nos próximos anos. As receitas do setor do ouro também são receitas importantes para o governo. Desde a década de 1940, a indústria da bauxita é a atividade econômica mais importante do Suriname. No entanto, devido à queda dos preços do alumínio, as atividades de bauxita diminuíram e a mineração foi completamente interrompida.

Enquanto isso, a busca pelo petróleo do Suriname está progredindo bem. Na quarta-feira, a Total e a petrolífera Apache anunciaram que a perfuração de teste no poço Sapakara Sul, na costa do Suriname, é promissora e “comercialmente interessante”. A previsão da estatal surinamesa Staatsolie é que o primeiro óleo possa ser vendido no início de 2025.

Comentar

Comentar