Ao menos 137 pessoas morreram e 169 pessoas foram feridas – incluindo feridos de combate e não-combatentes – na sequência de ataques das forças russas.

Mais cedo, nesta quinta-feira (24), o ministro da Saúde da Ucrânia, Viktor Lyashko, confirmou 57 mortes, mas o número foi atualizado.

Publicidade

Falando direto no canal de televisão 1+1 da Ucrânia, Lyashko disse que hospitais e trabalhadores médicos também foram alvos de incêndio hoje – incluindo em Avdiivka e Vuhledar, em Donetsk – com baixas relatadas entre os trabalhadores médicos.

Após meses de escalada militar e intemperança na fronteira com a Ucrânia, a Rússia atacou o país do Leste Europeu. No amanhecer desta quinta-feira (24), as forças russas começaram a bombardear diversas regiões do país – acompanhe a repercussão ao vivo na CNN.

Horas mais cedo, o presidente russo, Vladimir Putin, autorizou uma “operação militar especial” na região de Donbas (ao Leste da Ucrânia, onde estão as regiões separatistas de Luhansk e Donetsk, as quais ele reconheceu independência).

O que se viu nas horas a seguir, porém, foi um ataque a quase todo o território ucraniano, com explosões em várias cidades, incluindo a capital Kiev. De acordo com autoridades ucranianas, dezenas de mortes foram confirmadas nos exércitos dos dois países.

Em seu pronunciamento antes do ataque, Putin justificou a ação ao afirmar que a Rússia não poderia “tolerar ameaças da Ucrânia”. Putin recomendou aos soldados ucranianos que “larguem suas armas e voltem para casa”. O líder russo afirmou ainda que não aceitará nenhum tipo de interferência estrangeira.

Esse ataque ao ex-vizinho soviético ameaça desestabilizar a Europa e envolver os Estados Unidos.

Comentar

Comentar