A determinação da Justiça do Rio, de conceder liberdade ao pastor Felipe Heiderich — suspeito de abuso sexual contra o enteado de 5 anos — não pôde ser cumprida na manhã deste sábado, como previsto. Por falta de tornozeleira eletrônica, o religioso continua preso em uma cela isolada da Cadeia Pública José Frederico Marques, também conhecida como Bangu 10, no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na Zona Oeste do Rio. Até que o juiz indique um novo parecer, ele seguirá encarcerado. Felipe Heiderich nega todas as acusações.

“Ele não saiu da prisão, pois era necessária a tornozeleira, que está em falta. Isso logo será informado ao juiz, que decidirá se ele será solto assim mesmo, sem tornozeleira, ou se permanecerá preso por tempo indeterminado. Não existe previsão para que isso seja resolvido”, esclareceu um representante da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap).

Publicidade

Felipe Heiderich teve a prisão temporária decretada por 30 dias pela 17ª Vara Criminal do Rio, após o Ministério Público endossar um pedido feito pela delegada Cristiana Bento, da Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima (DCAV) . O pedido foi baseado ainda em uma avaliação psicológica e psiquiátrica da criança, que teve acompanhamento de dois profissionais, ao ser ouvida pela polícia.

Fonte: Dol

Comentar

Comentar