Amar Ramadhin foi um dos primeiros membros do governo a receber a vacina

A Organização Mundial de Saúde (OMS) negou na tarde desta segunda-feira, dia 15, qualquer relação da vacina AstraZeneca com possíveis problemas de saúde envolvendo algumas pessoas que receberam a primeira dose. A “fake news” ganhou forças nos últimos dias. O Suriname segue com a imunização normalmente contra a Covid-19.

“Mortes por outras causas continuarão ocorrendo mesmo após a vacinação, mas não estão relacionadas”, disse a OMS. Até a semana passada, mais de 268 milhões de doses de vacinas Covid-19 foram administradas sem nenhum problema com a saúde dos pacientes. Os dados são baseados nos relatórios dos governos nacionais.

Publicidade

“O Comitê Consultivo Global sobre Segurança de Vacinas (GACVS) da OMS analisa sistematicamente todos os sinais de segurança e preocupações com vacinas relacionadas à segurança da vacina Covid-19”, emitiu, em comunicado, a OMS. O Suriname vacinou mais de 1.500 pessoas no último sábado, segundo relatório do Ministério da Saúde.

AstraZeneca

No Suriname, várias autoridades, a exemplo do ministro da saúde, Amar Ramadhin, já foram vacinados com a AstraZeneca. Além dele, a primeira-dama também foi imunizada. Nenhuma contra-indicação foi assinalada desde então. O governo segue o plano nacional sem nenhuma alteração.

Comentar

Comentar