Maioria das vítimas da escravidão moderna se encontra na África e na Ásia. Análise compara escravos em relação ao tamanho da população

O Irã ocupa o 10º lugar entre os países onde existe a maior prevalência de escravidão moderna. O dado é do Índice Global da Escravidão, que foi divulgado nesta quinta-feira (19) e traz um ranking das nações com o maior número de pessoas trabalhando em regimes análogos à escravidão com base no tamanho de sua população. A análise ainda revela que, no mundo, há atualmente 40,3 milhões de escravos. A maioria se encontra na África e na Ásia

Publicidade

De acordo com a pesquisa, cerca de 1.289.000 de pessoas são vítimas da escravidão moderna no Irã. O país tem uma população de 79.360.487 habitantes — o que revela que, a cada 1.000 pessoas, 16,24 trabalham em regimes análogos à escravidão

Mundo tem 68,5 milhões de deslocados por violência, diz ONU

Em nono lugar no ranking da escravidão moderna está o Camboja, onde pelo menos 261.000 pessoas trabalham nesse tipo de regime. Como o país tem uma população de 15.517.635 habitantes, a proporção é de 16,81 escravos modernos para cada 1.000 pessoas

O Paquistão aparece na oitava colocação do ranking, com cerca de 3.186.000 pessoas trabalhando em regimes análogos à escravidão e uma população de 189.380.513 habitantes. A cada 1.000 paquistaneses, 16,82 são escravos modernos

Na sétima posição figura o Sudão do Sul, onde há 20,5 pessoas trabalhando em regimes análogos à escravidão a cada 1.000 habitantes. O Índice Global da Escravidão ressalta que muitos dos países com a maior prevalência de escravidão moderna passam por conflitos que tornam a população mais vulnerável a este tipo de exploração.

Fonte: R7

Comentar

Comentar