Foto: Centro Espacial Kourou

A Agência Espacial Europeia (ESA) confirmou a suspensão da missão russo-europeia ExoMars e procura alternativas para realizar outras quatro missões, após a suspensão da cooperação com a agência espacial russa Roscosmos devido à guerra  na Ucrânia. Em comunicado, o conselho administrativo da ESA instruiu seu diretor a realizar um estudo rápido para relançar ExoMars e buscar alternativas para as outras missões.

A ExoMars estava programada para lançar um rover com destino a Marte em setembro, com a ajuda de um lançador e uma estrutura de pouso russos. Os lançamentos de diversas missões da ESA utilizavam, até agora, o lançador russo Soyouz a partir do porto espacial europeu de Kourou, na Guiana Francesa.

Publicidade

A Roscosmos condenou as sanções europeias, impostas em virtude da invasão russa à Ucrânia, de suspender os lançamentos com o Soyouz no porto de Kourou e de chamar de volta sua equipe de centenas de engenheiros e técnicos. Inicialmente previsto para 2020, o lançamento da ExoMars foi adiado, por causa da pandemia de covid-19, para setembro de 2022. Agora, a expedição espacial está mais do que comprometida por causa de uma janela de lançamento em direção ao planeta vermelho que se abre de dois em dois anos.

O rover da ESA, Rosalind Franklin, deveria ser transportado por um foguete Proton de Baïkanour no Cazaquistão e pousar em Marte com a ajuda do lander “Kazatchok”, também russo. Todas as outras missões da ESA tem como base a utilização do lançador russo Soyouz foram também suspensos. Estas incluem dois satélites para constelação europeia de posicionamento Galileo, a missão científica Euclid e a missão europeia-japonesa de observação da Terra EarthCARE.

Comentar

Comentar