Depois de a Rússia afirmar nesta terça-feira (29) que decidiu cortar drasticamente sua atividade militar focada em Kiev e Chernihiv, na Ucrânia, uma equipe de jornalistas que visitava uma área residencial perto da linha de frente na parte leste da capital ucraniana registrou que os intensos combates continuaram nos subúrbios da cidade.

Os jornalistas puderam ouvir baques altos e frequentes de artilharia entrando e saindo. Vários sistemas de lançamento de foguetes também podem ser ouvidos esporadicamente. Em um posto de controle próximo, um membro das forças de Defesa Territorial da Ucrânia, Yuryi Matsarski, disse que os combates não diminuíram nas últimas 24 horas.

Publicidade

“[Houve bombardeios] o tempo todo ontem. Houve muitos bombardeios à noite e também hoje de manhã e agora, à noite”, disse ele. “Até onde eu entendo, nenhum alvo foi atingido aqui em Kiev, então nosso sistema antifoguete está fazendo o seu melhor.” Moradores disseram suspeitar do anúncio da Rússia de que estava retirando algumas de suas forças da região, acrescentando que Moscou não era confiável.

A diretora de comunicações da Casa Branca, Kate Bedingfield, disse que a determinação do governo Biden de que o movimento das forças russas na Ucrânia não constitui uma retirada é “baseada no fato de que precisamos ver o que os russos realmente fazem antes de confiar apenas no que eles disseram”.

“Vimos desde o início que eles fizeram uma investida agressiva em direção a Kiev no início deste conflito, e não temos motivos para acreditar que eles ajustaram essa estratégia”, disse Bedingfield a Kaitlan Collins.

“Obviamente, continuamos a fazer tudo o que podemos para impor custos para esta decisão. Continuaremos a executar nossa estratégia, mas, como você ouviu o presidente dizer, não vamos acreditar na palavra deles. Vamos esperar para ver como serão suas ações.”

Comentar

Comentar