Martin Salia será terceiro doente de ebola tratado em hospital no Nebraska. Estado dele é mais grave do que dos outros pacientes já tratados no país.

Um cirurgião de Serra Leoa contaminado pelo vírus ebola transferido para os Estados Unidos para tratamento está em estado grave, possivelmente mais grave do que qualquer outro paciente contaminado pela doença que já tenha sido tratado no país, informou neste sábado (15) o Centro Médico de Nebraska.

Publicidade

O doutor Martin Salia, de 44 anos, residente permanente em Maryland, nos EUA, contraiu o vírus enquanto trabalhava como cirurgião em Freetown, em Serra Leoa, país onde nasceu. Ele foi considerado estável o suficiente para voar para os Estados Unidos, onde desembarcou em Omaha, durante a tarde.

“Embora não seja possível conhecer o estado exato de saúde do paciente até que os médicos possam avaliá-lo assim que ele chegar, as informações que chegam da equipe que cuidou dele em Serra Leoa indicam que ele está em estado grave, possivelmente mais grave do que os primeiros pacientes tratados com sucesso nos Estados Unidos”, afirmou o hospital em Omaha, em comunicado.

Salia será o terceiro paciente com ebola a ser tratado na Unidade de Confinamento Biológico do hospital do Nebraska desde que o surto de ebola ganhou força em Serra Leoa, Guiné e Libéria neste ano.

Salia atuava como cirurgião chefe do United Methodist Church Hospital de Kissy, que não atende pacientes com ebola, mas também prestou serviços em pelo menos mais três hospitais na região. Ele constatou os sintomas de ebola no dia 6 de novembro, mas seu primeiro teste foi negativo. Dias depois, voltou a se sentir mal e na última segunda-feira o diagnóstico foi confirmado.

A mulher do médico, Isatu Salia, disse em entrevista por telefone à agência AP que a voz de seu marido, na manhã de sexta, era “fraca e trêmula”, mas que ele disse que a amava e os dois rezaram juntos. O casal tem dois filhos, de 12 e 20 anos.

Deixe seu comentário abaixo.

Fonte: G1

Comentar

Comentar